sexta-feira, julho 19, 2019

Foi, talvez, a  nossa última manifestação, em Higuera de Vargas!
Hoje:
"
Indescritível alegria!

Ainda ontem estivemos a percorrer os caminhos onde poderia vir a existir uma mina de urânio a 5 Kms da nossa fronteira.
Ontem voltámos a referir que era urgente a decisão da Junta da Extremadura.!

Todos os povos da zona, em manifestações de muitos milhares, às quais tivemos a honra de nos dirigir, a nossa comissão Parlamentar de Ambiente, todos os partidos desta, que recebeu a Plataforma #Dehesa Sin Urânio# e que connosco dividiu dúvidas e apreensões, e devo saudar novamente o deputado Pedro Soares, presidente da Comissão, a quem o ambiente fica grato e irá deixar saudades, todos nos havíamos erguido e caminhado.

Hoje, logo pela manhã, quando estávamos reunidos com os presidentes de Ayuntamientos (Cãmaras) da zona recebemos a notícia:
“La Junta de Extremadura anula el permiso de investigación de la mina de uranio
La Dirección General de Industria, Energía y Minas ha resuelto anular el permiso de investigación de recursos de la sección D (uranio) de la Ley de Minas, denominado ANSAR”
Não tenho palavras! Para a enorme alegria.
O montado pode continuar a lutar!
"



quarta-feira, julho 17, 2019

É um espaço fabuloso, e não fora estar em retiro não deixaria por nada de ir a esta festa, que têm sido memoráveis:
não há filosofia sem prática!

terça-feira, julho 16, 2019

Mau jornalismo...
Vi, por mero acaso, uma reportagem na RTP sobre o javali.
Inacreditavelmente nem uma palavra sobre:
e seria fácil fazer as ligações, há 50 anos começou o incremento dos javalis, com a extinção do lobo, no Sul, e se não nos pomos a pau a invasão será total.
A caça tem que ser incrementada, mas agora com as tretas do animalismo estamos tramados... e se continuarmos a dar cabo do lobo (que come os filhotes do javardo) estamos feitos.
Alterámos o espaço rural, demos cabo dos lobos e agora....
No programa de mais de meia hora até aparece um velho amigo, Carlos Fonseca, que é ainda por cima especialista em mamíferos, mas o jornalista nem se procurou informar e fazer-lhe uma pergunta útil.
Continuamos a encher....
Esta é brilhante,
Sugestão para as nossas autarquias!
https://www.ecowatch.com/dutch-city-bus-stops-into-bee-stops-2639127437.html

segunda-feira, julho 15, 2019

Continuo à espera que me digam alguma coisa, uma mera resposta, de queixa apresentada ao IGF  (em Março!) contra conivência da C.M. Barrancos com ilegalidades várias, 
já o IGAMOAT foi mais expedito, bastou um mês, e já colocou a Câmara de Moura perante as suas irresponsabilidades:

S/07696/RE/19 - Encaminhamento para a C.M.Moura - NUI/RD/AM/000260/19.3.RE 

e é o mesmo Estado. 

Tenho apresentada à C.A.D.A. queixa contra outro Instituto Público há seis meses... e nem resposta.

Não há quem dê uma varridela nesta gentalha!!ou estarão todos em férias?

Em Lisboa os casos, então, nem tem conta! 


 

domingo, julho 14, 2019

De outras leituras de hoje:
esta fez-me, faz-me lembrar a idiotice do meio ambiente. O Ambiente deve ser inteiro, meio já é ambiente!
E aqui um artigo, dos meus!
https://elpais.com/elpais/2019/07/08/eps/1562596150_743183.html
já não há paciência para populismo, nem nacionalismos.
Aqui um livro essencial:
para desmascarar ideias e interpretações falsas dos factos e da História da linha da tal senhora que bolsa sobre esta em artigos racistas.
E li 4 revistas francesas, a notável Marianne em lugar de destaque.
De um artigo desta:
é que tudo começou algures....
É isto....
enviar os low-cost para Beja e criar uma taxa sobre os voos, limitar fortemente os navios de cruzeiro! e os tuk-tuk. Acabar com o regabofe das bicas e das trotinetes.

sábado, julho 13, 2019

A minha primeira estada em Pamplona foi difícil, passei três noites no Governo Civil, ainda viviamos no pós franquismo, julgo que era 1º Arias Navaro, mas não estou certo...
Depois estive mais 2 vezes e recordo os percursos e o deserto de Navarra onde me "perdi".
Tenho pena, e agora com o turismo de massa e os novos e espessos cabrestos vai perdendo a graça, de não ter participado nestes poderosos e históricos encierros, mas a leitura do genial Hemingway e a sua #Fiesta# cumprem um papel catártico.
continuam, por cá a abundar discursos, respeitáveis salvo quando insultuosos o que é quase sempre, contra a ruralidade e as suas manifestações, normalmente vindos de urbanitas que nunca viram o animal, mas tenho que referir de uma grande, enorme ignorância, do campo, da ganadaria e da vida rural e das suas festas.
Hoje, sendo que me tenho resguardado de intervir nestas polémicas, dado que temos garantido o respeito pelas culturas locais e patrimoniais, embora o fanatismo continue a ameaçá-las, trago aqui este artigo de opinião, de um homem que sempre acompanho, mesmo quando discordando politicamente dele, mas não aqui:
https://elpais.com/elpais/2019/07/11/opinion/1562856407_593734.html
Viva S. Fermin!
Sou um anti-racista primário tenho que o confessar. Eu próptio descendente de sefarditas me considero preto, e de todas as cores...
Sobre o artigo de Fátima Bonifácio acho do mais asqueroso, sem classificação. Aliás acho-a  uma historiadora medíocre, como outras que agora enchem o espaço público, mas defendo intransigentemente o seu direito a bolsar ( de Bolsa) os disparates que queira, embora também defenda o direito de não ser mais publicada por quem não os aceita, como um jornal decente (porque não vai escrever a sua trump para observador?) sem que isso seja censura, mas direito e liberdade, também empresarial.....
Gostei dos artigos de hoje de Pacheco Pereira ( no Público) e de Sousa Tavares (Expresso) que subscrevo, inteiramente, embora não deixe de acompanhar o espírito e não o acto de quem a colocou em tribunal.
Fui dos que sempre defendeu o direito de expressão dos fascistas e nazis, organizados até em partidos (como hoje disfarçados já temos), desde que respeitem o Estado de Direito, aliás como os comunistas.
Por isso entendo que a palavra deve ser respeitada até aos limites,,,
Começo a leitura de uma história aterradora, que resulta, também, dessa não ter sido respeitada:

quarta-feira, julho 10, 2019


Sobre a exibição do filme a Fuga Radioactiva, de Eduardo Soto e importante debate que seguiu

Uma curta metragem notável #A Fuga Radioactiva#, com a presença de Eduardo Soto, o realizador foi exibida ontem em estreia nacional, em Lisboa na Livraria Ler Devagar.
A esta seguiu-se um debate que não pode contar com a participação de Pedro Soares (Presidente da Comissão Parlamentar de Ambiente) por motivos políticos, mas que esteve no inicio da sessão para falar com os membros da plataforma # Defensa Sin Uranio# que estiveram presentes e que através de Maria José fizeram uma apresentação da história e da forma como esta plataforma, organização única que envolve várias localidades ameaçadas pela mina de urânio e tem protagonizado manifestações massivas nessas várias localidades assim com em Mérida (capital Extremenha).
Esta plataforma e a sua/nossa luta foram na sessão classificadas como a mais importante e significativa inciativa nos dias de hoje na Ibéria e que pode ser o motor e modelo para o regresso das lutas ecologistas à Península.
Foi feita a ligação ente esta luta e a contra as Alterações Climáticas e promoção da Dehesa/Montado que estão intimamente ligadas.
Participou também no debate Yolanda Picazo que estava em Cuenca na altura da oposição a este cemitério nuclear, que nos descreveu a luta e fez o ponto desta situação, assim com fez algumas observações sobre as instalações nucleares ibéricas.
Eu próprio fiz alguns enquadramentos do actual momento da nuclear, a nível mundial, e obviamente em Almaraz, com as últimas e sempre perigosas novidades, além de ter comentado a situação e riscos do mercado e da mineração de urânio.
No debate participou o realizador que nos informou também de outros trabalhos em curso, nomeadamente sobre o ciclo da nuclear, que aguardamos com a maior expectativa.
# A Fuga Radioactiva# será exibido em diversos locais do âmbito da Plataforma, mas também no nosso país, e desde logo em Ferrel “ Capital da Luta contra o Nuclear” que se fez representar na sessão pelo presidente da Junta Pedro Barata.
Seguiu-se um agradável momento de convívio, troca de ideias e solidificação de amizades e carinhos.
No alto da árvore
A águia espreita
O coelho na toca
Seja como seja a vida continua, mas temos que agir....

domingo, julho 07, 2019

Desafinado by Joao Gilberto

Livros, revistas, conversas, espíritos, santos ou pecadores todos.
Um excelente número da Quercus, da boa!
 com diversos artigos excelentes, desde logo o ponto da situação sobre Lobos, onde em Espanha estão muito longe do nosso estatuto, e a qualidade das ilustradoras femininas, e outro sobre o Neandertal, e muitos mais.

acabarei a leitura, amanhã no caminho do Porto.
Em companhia de uns fumos... sagrados.

sexta-feira, julho 05, 2019

O Estado de Barrancos:
http://estadodebarrancos.blogspot.com/search/label/Plataforma%20Montado%20sem%20Ur%C3%A2nio
tem estado na primeira linha do apoio à nossa Plataforma #Dehesa Sin Uranio#.
Obrigado, Jacinto.
Aqui, o poema que utilizei no final da manifestação, com exortações e desafios políticos!

"
No hay nada en mí que no sea de la tierra, en ningún momento estoy separado, ninguna partícula me desconecta del medio ambiente.



No soy menos que la tierra misma. Los ríos corren por mis venas, los vientos soplan dentro y fuera con mi respiración, el suelo hace que mi carne, el calor del sol arda dentro de mí.



Una enfermedad o herida que cae sobre la tierra me golpea. Una molécula sucia que cruza la tierra me atraviesa.

Donde la tierra se purifica y nutre, su pureza me infunde.



La vida de la tierra es mi vida.

Mis ojos son la tierra que se mira a sí misma ..."

(...)


de Richard Nelson

quarta-feira, julho 03, 2019

Um mapa, de 1810, notável!
carregar para outras leituras.

domingo, junho 30, 2019

Para as agendas!!!!

Dragoeiro do Jardim da Estrela

sábado, junho 29, 2019

Para as agendas:

quinta-feira, junho 27, 2019

Lamentávelmente o tal partido não se preocupa com a etnia cigana, tantas vezes subnutrida!, como com os cavalos que, só eles, quer defender. Em torno dessa, também com culpas próprias que não se podem alijar, se geram muitos mitos e efabulações, mas os termos em que está escrita a tal moção são do mais asqueroso. Em Barrancos só há uma família cigana. Gigantesca é certo. Em vida do patriarca André, eu era conhecido pelo amigo do cigano, tantas vezes o safei de enrascadas.
Vergonha pelo racismo peçochento no que o animalismo vai dar. Em Barrancos nem 1!
Está nas Caldas da Rainha até fim de Julho, no CCC, a excelente exposição do World Press Cartoon, que recomendo!
a liberdade de expressão é cada vez mais fundamental!
e pensar mais importante, e agir!

segunda-feira, junho 24, 2019

Na Casa dos Açores!!!

sexta-feira, junho 21, 2019

No seguimento da nossa ida à Assembleia da Republica,
ontem em Oliva de la Frontera reunimos para cima de 2.500 pessoas, para dizer No a la Mina Si a la Vida,
 foi uma caminhada em grande, como refiro aqui:http://signos.blogspot.com/









é espantoso percorrer estas vilas raianas e não encontrar uma janela sem o seu cartaz....