terça-feira, setembro 04, 2012

Arte Nova, arte velha...

«Depois de aprovado pela CML o pedido de demolição, e aprovado projecto para novo edifício com 7 pisos + caves para estacionamento, aqui está a última moradia Arte Nova das Avenidas à venda por 1.650 milhão de euros! E assim se apaga irresp...onsavelmente, sem qualquer remorsos, o nosso património arquitectonico, recurso económico que nos daria mais competitividade no contexto das cidades da Europa. Porque todos sabemos que tipo de prédio foi aprovado para este "terreno" com uma coisa "velha" erguida em 1900 em cima! Porque é que os lisboetas não se indignam com isto? DESCRIÇÃO: Prédio devoluto com projecto residencial com 7 pisos acima do solo e caves para estacionamento. Zona privilegiada no centro de Lisboa. Para mais informações visite: http://casa.sapo.pt/Predio-Venda-Lisboa-Coracao-de-Jesus-Marques-de-Pombal-tem.Estacionamento-28a94149-a283-46a9-9f1a-dfd1aef532d0.html» (in Lisboa S.O.S)

7 comentários:

Anónimo disse...

Os lisboetas não se indignam porque não lhea dianta nada.

Isto está como sempre esteve por conta dos Salgados...

corrigindo... disse...

Os lisboetas não se indignam porque não lhes adianta nada.

Isto está como sempre esteve por conta dos Salgados...

JPLN disse...

Os lisboetas só indignam quando a procissão já passou do adro.
Existem participações públicas de cada vez que há planos em aprovação e nessa altura é que os lisboetas deveriam manifestar as suas posições.
Porque não participam mais os lisboetas?
Eu que não sou lisboeta, tenho participado, porque não o fazem os lisboetas?

Paulo Ferrero disse...

Pois, está como eu, que participo quase sempre... e neste tenho-me fartado de berrar, ainda que não seja parte de nenhum plano em aprovação, muito menos anunciado publicamente e participado :-(

JPLN disse...

Discordo Paulo Ferrero, mas existe um plano para a área e existiu participação pública, que pode consultar em: http://ulisses.cm-lisboa.pt/data/002/004/index.php?ml=3&x=eficazes.xml
Lamento dize-lo mas se se der ao trabalho de ler as participações públicas, as mesmas não servem nem conseguem apontar para nenhum tipo de defesa patrimonial por falta de qualidade.
Além desse plano teve foi aprovado recentemente a área de reabilitação urbana, essa também com falta de participação pública decente e consequente.
Saudações,

JPLN

Paulo Ferrero disse...

? Mas está a falar do quê? Este post refere-se à moradia Arte Nova da Rua Camilo Castelo Branco, que viu ser aprovada pela CML uma Informação Prévia que implicará a demolição integral do miolo e construção de um prédio de vários andares por cima, alinhando a cércea da frente de rua; originando assim mais um "cabeçudo". Não há neste particular qq fase de discussão pública. O projecto deveria era ter ido a reunião de CML e não ser aprovado por despacho do sr. vereador. Mas aqui não cabe discussão pública nem este lote está abrangido por qq plano (se se refere ao PUALZE, aqui não aplica, e em relação a esse PUALZE essa coisa foi coisa onde não nos calámos na devida altura...) Cumps.

JPLN disse...

Correto e afirmativo. E a info previa que fala cumpre com o PUALZE em vigor.
PUALZE por sua vez que na discussão pública não mereceu qualquer intervenção na defesa dos valores patrimoniais que invoca. Mais, ninguém perguntou porque razão na base dos estudos para a elaboração do plano náo existiu nenhum trabalho de levantamento e caraterização patrimonial, identificando-o, classificando-o e definindo ações passíveis de aplicar.
Estava tudo preocupado com o estacionamento e com a circulação automóvel e esqueceram tudo o resto.
O que quis comentar foi o seu choro no molhado, quando nas poucas oportunidades que estes assuntos promovem, ninguém (salvo raras e honrosas exceções) se dar ao trabalho de apresentar propostas eficazes e uteis.
Atenciosamente,
JN