segunda-feira, janeiro 15, 2018

Recebo uma multa da EMEL, que irão receber ao Totta!
Transcrevo:
Estacionou em local não destinado ESPECIALMENTE para esse efeito.
Notável este ESPECIALMENTE, que está lá, não em maiusculas. Deve ser porque era um local que não correspondia à EMEL.
E também recebo uma carta de uns cobradores de Frac, chamados agora intercobranças a invocar uma dívida, que não tenho, conforme comprovativo em meu poder ( e já tive que pôr um processo à antiga empresa desses cobradores que agora mudou de nome!) ao, imaginem!  BES!
Não há vergonha que chegue para esta gentuça.
E, para alicerçar o tempo:
e

domingo, janeiro 14, 2018

Melhoraram muito os mercados de Lisboa. Este, instalado um pouco ao lado conheci-o mto bem, desde o início dos anos 60, tinha umas enormes ratazanas por ali  e outras condições higiénicas que nem no grande mercado de Accra verifiquei.
e tenho que, voltar a recomendar, pela frescura do produto, pelo atendimento e simpatia e os preços o restaurante de peixe que está no 1º andar com vistas para o Liceu Camões, perto de onde me dizem vai ser uma nova Loja do Cidadão, de que bem precisados estamos!
E vai um cafézinho para a mesa do canto...

sexta-feira, janeiro 12, 2018

Ontem visitei, mesmo no centro de Lisboa, mas só acessível para alguns privilegiados, o posto de comando de uma empresa de produção de energia eléctrica a partir de renováveis.
Um painel (4 ecrans) notável onde se acompanham ao milímetro todas as "máquinas", com todos os dados ao mais ínfimo pormenor, com vigilância todos os minutos por operacionais ( pessoas) 24 horas por 24.
Uma empresa notável!
E hoje leio uma entrevista também excelente. Saliento, nem uma palavra sobre energias do passado, como a nuclear!
http://energypost.eu/interview-eu-commission-vp-maros-sefcovic-energy-union-deepest-transformation-of-energy-systems-since-industrial-revolution/

quinta-feira, janeiro 11, 2018



Dias 20 e 21 Caldas da Rainha e Ferrel.
Carregar para visualizar:



Há 40 anos, a Gazeta das Caldas, com a colaboração de incipientes  grupos ecologistas de todo o país, com o apoio de meia dúzia de jornalistas, professores universitários, políticos, e com todos os cantores de intervenção, organizámos em Caldas da Rainha e Ferrel uma importante acção pública, contra a então, já periclitante, e perto de uma falha sísmica que não estava a ser considerada, central nuclear de Ferrel.

Foi um grito do Ipiranga e julgo, a primeira vez que se avançou claramente com a hipótese das renováveis (então pensávamos na energia do Sol) como alternativa, para a VIDA.
O Festival Pela Vida e contra a Nuclear foi um acontecimento. A ele assistiram muitos futuros ministros e altas individualidades da Ibéria, sejam escritores, artistas, políticos, ou expoentes da sociedade.
Vamos este ano lembrar o que era o nosso país há 40 anos, das lutas que neste tempo até chegarmos ao actual exemplo que somos nas renováveis, mas também falar dos novos desafios, da nuclear em Espanha e da organização para a enfrentarmos, não esquecendo as alterações climáticas que estão associadas ao dispilfário energético e à falta de desenvolvimento de energias suaves e sustentáveis.
O cartaz do colóquio e os eventos em Ferrel seguem em anexo, para o que chamamos a vossa atenção e solicitamos a máxima divulgação.
Hoje, como ontem, é em nome da Vida e contra a Nuclear que estamos!
Por ventos e marés e com o sol a guiar-nos!
Caminhantes contra a central de Ferrel e a nuclear ainda estão, felizmente, vivos e nomeá-los seria arriscar um esquecimento ou algum lapso.
A.E. 
Mas não quero deixar de mencionar três dos nossos companheiros que desapareceram Delgado Domingues e Humberto da Cruz, assim como Zeca Afonso, neles simbolizando o conhecimento, a militância e o empenho que também na altura foram chaves na nossa luta.



quarta-feira, janeiro 10, 2018

                                          Melancolia, Edward Munch
Sem que acompanhe, totalmente, estas escolhas, elas mostram alguns locais emblemáticos da nossa comezaina...
https://elviajero.elpais.com/elviajero/2018/01/04/actualidad/1515072432_714377.html

terça-feira, janeiro 09, 2018

esta é uma das minhas favoritas das:
https://www.theguardian.com/environment/gallery/2018/jan/09/wildlife-photographer-of-the-year-peoples-choice-award-in-pictures
mas esta é fantástica...
 os ursos são dos animais mais fotogénicos...
mas é sabida a minha veneração por mochos....

segunda-feira, janeiro 08, 2018

Já aqui referi o inqualificável processo colocado pela empresa, poluidora, Celtejo a Arlindo Marques.
https://ionline.sapo.pt/artigo/595423/poluicao-do-tejo-braco-de-ferro-entre-arlindo-marques-e-celtejo?seccao=Portugal_i
Penso que esta empresa faria bem, se seguindo os doutos conselhos dos seus advogados,  retira-se a queixa e evitasse sofrer o enxovalho de arrastar o processo em tribunal, onde será tornado óbvio que esta empresa, como todas e especialmente as do sector da pasta de papel é altamente poluidora, com inúmeros testemunhos, credenciados de técnicos, cientistas e ecologistas, além das associações, de municípios e partidos políticos.
A Celtejo verá a sua imagem sofrer os maiores tratos de polé, como corresponde a uma empresa que está nos limites da lei no que toca ao cumprimento da legislação e por várias vezes a tem infringido.
A Celtejo pensou que se metia com o elo mais fraco, mas vai-lhe sair o tiro pela culatra.
Os títulos sobre as sua sinistras actividades de poluição do rio, mesmo quando não infringem a lei, serão amplamente denunciados.
Tem razão os advogados quando aconselham a administração a sair pela esquerda baixa.
E tem ainda mais razão quando conhecem bem como os processos contra a liberdade de expressão tem pouca, muito pouca cobertura seja pelos tribunais, seja pela relação, seja pelo Supremo, seja pelo Constitucional. E sabem eles bem como o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem é severo em relação a estes atropelos contra a expressão, o direito e a cidadania.
É claro que até agora nada indica que a tal esquerda baixa seja o caminho que a administração da Celtejo ( se consultassem os seus parceiros talvez modificassem a sua opinião....) vá seguir...
Deveria. A Celtejo entrará na história como mais uma entidade que tentou calar a voz do povo (sei do que falo pois já respondi em tribunal por um facinoroso, o ex presidente da Câmara Municipal de Caldas tentar sancionar os meus artigos de opinião... perdeu em tribunal!).
O feitiço vai-se virar.....
Vamos contribuir para defender o Tejo!
que já praticamente não existe no passo de Toledo!
Aqui:
https://www.change.org/p/unesco-el-estado-del-tajo-amenaza-la-declaración-de-la-unesco-a-toledo?recruiter=60221226&utm_source=share_petition&utm_medium=email&utm_campaign=share_email_responsive

Miles Davis - Concierto de Aranjuez Part 1

sábado, janeiro 06, 2018

Hoje no Cartaxo introduzi o tema da sustentabilidade no quadro do decréscimo económico e do aumento do bem estar e da felicidade.
Tema para muitas conversas....
que podem girar neste entorno!


quinta-feira, janeiro 04, 2018

Deixei a companhia Tranquilidade quando me tentaram dar o golpe do baú, há 2 ou 3 anos.
Como agora aumentaram-me o seguro. Só que na altura enviaram-me uma informação previamente e ainda fui a tempo de mudar de companhia.
para desgraça minha a Açoreana foi agora comprada pelos chineses da Tranquilidade e agora sem qualquer aviso prévio deram outro golpe. Aumentaram-me sem qualquer motivo novamente o seguro do carro.
Depois dos meus protestos fui informado, no início de Dezembro que seria ressarcido em 8 euros e alguns cêntimos. Pois apesar de já os ter questionado até agora, já passa um mês ... népia.-Para exportelarem-me foi na hora, nem esperaram um minuto.
Venho dar conta desta situação de que informarei o Instituto Seguros de Portugal.
ou dos "empregos" políticos... para os quais não têm qualificações, qualidades ou qualquer mérito.
Nem um mínimo de ética. A não ser ser do partido ou cliente....

terça-feira, janeiro 02, 2018

Aqui:
http://www.dw.com/en/nuclear-reactor-to-shut-down-amid-germanys-atomic-phase-out/a-41983056?maca=en-Facebook-sharing 
boas notícias para iniciar o ano!
E
 em miúdos:

A produção doméstica de electricidade a partir de painéis fotovoltaicos correspondeu a 246,0 kWh, o que permitiu abastecer os electrodomésticos da cozinha, a iluminação e os equipamentos de climatização. 

O aquecimento de águas a partir de painéis solares térmicos em Lisboa permitiu a uma família poupar, por exemplo, 6,36 m3 de gás natural, durante o último mês. 
 
 A produção de electricidade de origem eólica no mês passado permitiu abastecer 28 % das habitações de Lisboa. 

O desenvolvimento do fotovoltaico doméstico, e volto a referir o papel das cooperativas  de produção e da microgeração (além da conservação e eficiência) tem, e com as novas baterias em vertiginoso desenvolvimento, que ser a cheve para um novo paradigma de consumo/produção.
E claro que o térmico, onde o nosso país está atrás, por habitante, da Alemanha que tem muito, muito menos calor solar, tem um enorme potencial.
E a geotermia de baixa entalpia, também.
O vento, pois o vento fica com o Pessoa...
 


segunda-feira, janeiro 01, 2018

E que tal uma ida ao Cartaxo?
https://www.facebook.com/events/443135549416639/
Estas estão prontas a marchar, neste ano em que a guerra às drogas, também vai acabar....
https://www.theguardian.com/us-news/2018/jan/01/california-broad-legalization-marijuana
com trump ou sem...