terça-feira, setembro 25, 2018

Hoje dedico-me ao livro de George Monbiot, na tradução espanhola #Salvaje#, que aconSelho!,
sobre o regresso da natureza, entre outras coisas...
 e encontro esta excelente página:
http://tolweb.org/tree/home.pages/aboutoverview.html

segunda-feira, setembro 24, 2018

Difundi, numa lista que diariamente recebe notícias  e dados de energia e ambiente, quem quiser pode subscrever aqui: <obseribericoenergia@gmail.com>
isto:

E, tenho que dizer que acho que é uma vergonha nacional:


fui, enquanto vereador ( substituto de Ribeiro Telles) talvez o 1º a falar em reunião de vereação da necessidade de ecopontos, e recordo que Nuno Abecassis com a sobranceria que o caracterizava, dizer “ó António Eloy mas há tantos vidrões por aí”.

Hoje já nem esses há, e o óleo usado, quando, também na vereação interpelei  Zé Fernandes, ele respondeu-me com a mesma, "mas o ano passado recolhemos dois barris" (em Sintra só numa freguesia tinham recolhido 10 vezes mais!)...

Há concelhos (por exemplo Barrancos, onde há anos tento que se faça pedagogia) onde a reciclagem é.... zero, zero (dados PORDATA de 2016), mas há meia dúzia de outros, quase todos do interior, onde é também nula.

Talvez vala uma Lágrima-de-nossa-senhora,
 que me envia Raimundo Quintal



domingo, setembro 23, 2018

Está em exibição e aconcelho vivamente ,
é um filme, além de bem feito e divertido, muito importante para discutir como se chegou aqui, ao Trump, e sobre o racismo ascendente nas nossas sociedades e a xenofobia.
Spike Lee é um cineasta envolvido e este é, talvez, um dos seus filmes onde a militância é subliminar.
Um filme que nos faz pensar e discutir, esse o papel do cinema.
No filme aparecem imagens de um dos mais ignóbeis, ideologicamente, mas de um dos primeiros grandes filmes "O nascimento de uma nação" que recordo ver com um grande comentário de João Bénard da Costa, que também poderá ser tema de outra conversa!

E,
só este fim de semana li esta interessante revista, que é uma, das muitas que são editadas em Espanha, que não têm distribuição em Portugal, o que é lamentável para quem não vai com assiduidade ao país vizinho.
É mais um numero excelente, que devia ser lido por todos os que fazem discurso do sexo, além de outros temas de cultura e ou política, de grande qualidade.


sábado, setembro 22, 2018

Realizou-se  ontem na Casa dos Açores, um excelente espaço na Rua dos Navegantes 21, uma sessão sobre esse,
e será hoje (sábado 22, pelas 18 horas)  também apresentado na Fabula Urbis, o excelente livro
UN CARGO POUR LES AÇORES
(Actes Sud)
de Jean-Yves LOUDE



quarta-feira, setembro 19, 2018

Imagino, se lá chegarmos, se houver gente que leia, se houver alguém preocupado em como o passado fez futuro, daqui a 50 anos, para não ir mais longe...
alguém que busque o que fez uma tal Cristina Ferreira(?) que ignoro quem seja, mas que vejo nas capas das revistas porno que hoje abundam (devo dizer que raro vejo televisão e que eu própio não tenho), nos livros, nos artigos com algum relevo ou ideias, na influência, na legitima influência pública, e estou a referir-me a tal senhora como podia referir inúmeros inúteis que pululam pelo espaço público e onde são referenciados...
ou alguém que busque, por verdadeiros produtores de ideias, de pensamento ou gente que contribuiu para o social, como e não os menciono por os conhecer e apreciar  Viriato Soromenho Marques, Nuno Nabais, Ribeiro Telles, Carlos Pimenta ou outros, que tem ou tiveram espaços reduzidos de expressão, uns mais outros menos,
e pensando nisto se vê as obscenidades e trafulhices em que estamos mergulhados, por uma imprensa de pacotilha e sobre as televisões nem palavra.
O passado não registará senão o que marca o tempo, sendo herdeiro de uma família também de actores sei que apesar da sua relevância ficaram nos interstícios do vento. A cultura que deixa rasto é a que faz memória e não o gás do tempo....

terça-feira, setembro 18, 2018

Hoje, na lista do Observatório Ibérico de Energia
(mail: observibericoenergia@gmail.com) divulguei isto:

As alterações climáticas não podem ser esquecidas, são centrais no quadro da luta por um novo modelo energético, sem fósseis nem nuclear.
Recordo de numa sessão de apresentação de um dos meus livros, Miguel Boeiro (hoje vice-presidente da S.P.N. e notável especialista da vida e uso de plantas) ter colocado uma questão sobre o permafrost, respondeu-lhe Carlos Pimenta (referência da ecologia portuguesa). A situação que ele referiu é, infelizmente, é muito, muito mais séria!


E sobre a nuclear um excelente dossier na Campo Aberto, dirigida por um dos mais relevante militante  e divulgador ecologista português, José Carlos Marques.
Aqui:

o O.I.E. é um novo espaço de informação, diária, e de tomada de posições sobre as questões de energia e as que lhe estão relacionadas ( todas poderão dizer-me...) quem quiser receber essas basta enviar um mail para o acima mencionado!

segunda-feira, setembro 17, 2018

Envia-me o Franco Cereaolo isto:
https://www.rtp.pt/acores/graciosa-online/potenciar-os-burros-video-_58988
e não esquecer que até ao fim do mês milhares têm que votar...
https://opp.gov.pt/proj?search=burros#proposals-list

domingo, setembro 16, 2018

sábado, setembro 15, 2018

É inacreditável a quantidade de Jacinto-de-Água que se desenvolve no Guadiana...

e
e aqui a concentração...
de protesto contra a inacção das autoridades. Disseram-me que há especial cuidado para evitar ( mas como?) que esta praga se dissemine para Portugal o que poderia constituir um incidente, diplomático, além de desastre ambiental.
Vamos seguir esta narrativa...

quinta-feira, setembro 13, 2018


No Tejo o problema também já teve, e poderá voltar proporções assustadoras (recordo o Paul de Boquilobo, onde não vou há muito, cheio desta infestante!) e no caso do Guadiana, tem neste momento dimensão muito preocupante.
este sábado lá estarei!  a partir das 9.30 (8.30 portuguesas), o local de concentração é na ponte da Autonomia, ao lado da Glorieta dos Três Poetas.

quarta-feira, setembro 12, 2018

Em castelhano as expressões "me cago en dios, en la hóstia, en la madre ou en la virgen" são tão correntes como o caraco (caralho) na boca dos e das tripeiras. É uma expressão para encher chouriços.
Mas mesmo que fosse literal, além da ordinarice, tem toda a legitimidade, seja para quem não acredita nesses e nessas (salvo no dito que é real) seja para quem crê noutra coisa qualquer usar essa expressão como afirmação social ou política (e vendo os desmandos dos vários deuses e suas igrejas ou seitas não me parece nade despropositado).
Pois logo se estivesse ainda em Madrid não deixaria de dar o meu apoio a esta causa.
Juízes inaptos ao cargo há muitos, e em Portugal sabemos de muitos, e não só por meterem grano no bolso...

terça-feira, setembro 11, 2018

Venho, agora em representação do nóvel Observatório Ibérico de Energia, e enquanto coordenador do FAPAS para essas questões dar conta da nova situação do ATI de Almaraz.
Foi autorizado o começo da sua carga (guarda de combustíveis usados) a partir de Outubro. Esses poderiam contnuar a ser armazenados nos actuais equipamentos para tal.
Conforme desde logo fizemos saber não era o problema do ATI, independentemente de todo o seu processamento ter sido errado, seja as análises de impacto ambiental local seja a ausência de consulta a Portugal, que foi depois feita em condições muito deficientes, mas o problema do ATI não era, não é o ATI.
É a perspectiva de continuação da Almaraz que o governo do P.P. deixou como herança ao PSOE.
Este (PSOE) defende o encerramento das nucleares aos 40 anos, em linha com as posições dos grupos ecologistas, mas sabemos que tal como aconteceu em França o ambiente é o mal querido dos governos e a excelente ministra da Transição Energética Teresa Ribera terá que lutar contra os interesses de empresas, agora mais solidificados e do seu próprio partido, baseados em quimeras e dados falsos.
Venho, após longas reuniões em Madrid com Paco Castejon e José "Chema" Mazon dar conta que seguimos no acompanhamento de toda a situação nuclear e achamos que é altura de pressionar e dar apoio a quem em Espanha e Portugal luta contra estas ilusões.
Não há qualquer hipótese deste ATI vir a albergar resíduos de outras centrais nucleares, ao contrário do que foi difundido por alguns médias hoje. O transporte seria impossível e todas, todas as centrais têm depósitos para os seus resíduos. Mas criar factos novos para vender parece estar na moda.
Sinais de trânsito...
tenho desde há muito feito campanha contra a mafia dos sinais de trânsito. Gente sem carta de condução ou que não tem a mínima noção da necessidade ou quantidade ( o que lhes interessa é vender!) de sinais necessários e ou suficientes, ás vezes até os colocam em contraditório, esta competência dos munícipios e a autoridade rodoviária é vendida a uns charlatães....
Em Madrid tive a percepção que também podem ser... arte, seja nos semáforos ( e têm diversos bonecos!)
até na zona das Huertas...
geniais!!!

mas por cá vivemos neste remanso doce e quedo...

segunda-feira, setembro 10, 2018

Em Madrid desta vez foi sobretudo teatro,
mas também houve tempo de leituras...
Este é um livro sobre história, que desmistifica muitas destas...
e com alguma curiosidade na área da educação...
e
do "velho" mas jovem de cabeça E.O. Wilson, como que uma revisão de matéria dada, com enfoque na empatia!
Já com novidades, mesmo para um "especialista" é este capitalismo canalha, com muitas leituras comentadas de muitas obras, com que também me deliciei...




Teatro por todo o lado...
Com um recado para o Teatro da Rainha

É uma das notáveis obras de Ibsen, que parece escrita nos nossos dias, e até retrata um pouco a actual situação termal em Caldas “Un Enemigo del Pueblo (Ágora)”, no caso da obra de Ibsen, com esta versão adaptada à democracia.. o tema é um balneário, termas contaminado e as formas como os “gestores” da comunidade silenciam o médico que quer corrigir a situação, reabilitar e recuperar o mesmo, e em nome do vil metal e dos interesses financeiros descrdibilizam o médico, manipulam, como com um twit, as massas e mantém a porcaria, o que vai destruir o futuro.
Está em cena no simpático teatro Pavón Kamikase (na Latina), com uma inspirada encenação e 5 excelentes actores, numa peça que interage com o público, houve 3 votações e discussão connosco no final, com a sala (300 lugares) abarrotada.


Mas aproveitei estes dias em Madrid, além da reunião que menciono noutro texto, também, para comprar livros (7) e visitar exposições, a da antiga Fábrica do Tabaco, espaço fabuloso é... espantosa, em castelhano para os entendidos... e para outro momento sublime:
Está em exibição no estupendo Teatros del Canal, uma peça de três horas, em três tempos que recordarei para sempre, de “Lehmam Trilogy”, que nos conta a história dos ditos irmãos desde a sua chegada à América até, após a morte do último descendente, à compra dessa empresa por outros agiotas e ao colapso, da parasitagem.
É um espectáculo do outro mundo, 5 actores interpretam cerca de duzentas personagens, numa sequência cheia de movimento, músicas fabulosas e muita emoção. No final ainda tive o privilégio (com as mais de 500 pessoas que enchiam o teatro) de termos mais de uma hora de dialogo com este naipe de actores, músicos, agitadores.

O teatro é, também, a vida. Continuemos o teatro.

domingo, setembro 09, 2018

E com a mão na massa... ainda recordo quando havia abelhas em Lisboa...
https://elpais.com/elpais/2018/08/31/eps/1535716800_302998.html
e um mundo a construir...
e homens grande, este é um dos génios!!!
https://elpais.com/elpais/2018/08/31/eps/1535729785_455010.html
em Madrid nota-se algumas das suas ideias...

Estive 5 dias em Madrid, terei muito para contar. Fui ver alguns locais e duas peças de teatro de altíssima qualidade.
Hoje venho aqui trazer esta:
publicarei um artigo sobre ele mas não quero deixar de referir, não percam!
https://elpais.com/cultura/2018/09/06/babelia/1536250441_659777.html
e no final tive o privilégio de assistir a uma conversa com os fabulosos actores, músicos, faz tudo, depois de 3 horas de sessão!"

domingo, setembro 02, 2018

Hoje foi um dia de cultura.
Almoçamos no Espaço Açores, onde o Alfredo é mestre na simpatia e conhecimento da gastronomia regional, e de onde se saí cheio de satisfação....
https://www.espacoacores.com/
é um dos locais de culto da nossa cidade.
Depois, também para digerir o repasto foi visita ao:
http://www.museudearteantiga.pt/exposicoes/do-tirar-polo-natural
onde brilha este excelente retrato feito pelo tio Mário:
muito boa exposição de retratos e afins.
Também simpática, embora muito reduzida,,, é esta:
http://www.museudearteantiga.pt/exposicoes/explicita
o texto é mais que a exposição...
A paz não é só a ausência de guerra.

SOUTENIR CARTOONING FOR PEACE


Notre réseau international de dessinateurs de presse engagés, qui combattent avec humour pour le respect des cultures et des libertés, a besoin de votre soutien.

Nous lançons cet appel aux dons pour continuer à :
   

Organiser des expositions et des rencontres de dessinateurs de presse de toutes les nationalités avec un large public

Sensibiliser les publics jeunes aux grands problèmes de société en utilisant la valeur pédagogique du dessin de presse, et développer les projets auprès des écoles mais aussi des prisons

Relayer les attaques à la liberté des dessinateurs de presse travaillant dans des contextes difficiles et leur apporter soutien et assistance en cas de besoin


 
Faites votre don en ligne sur notre site officiel


Vous pouvez également télécharger le bulletin de don en pdf

Votre soutien financier à Cartooning for Peace, association loi 1901 reconnue d’intérêt général, est déductible d’impôts.
Nous sommes à votre disposition pour toute question relative à votre don. Ecrivez-nous à contact@cartooningforpeace.org
 

UN GRAND MERCI POUR VOTRE GÉNÉROSITÉ

sábado, setembro 01, 2018

Em Setembro, uma chuva de votos é necessária!
o projecto não é só o projecto...
https://www.aepga.pt/eventos/burros-contra-as-alteracoes-climaticas-1942877597/
e pensar como um burro é uma atitude...
https://www.facebook.com/aepga/?rc=p

Uma das ideias para dar força aos neurónios seria uma grande conferência, talvez em Lisboa, num local que aloje os burros, e talvez os possa manter para exemplo e interacção, onde se repense o conceito da velocidade, da ruralidade, do tempo, e também da hora que o marca ( sou desde sempre um opositor da mudança da hora, mas para voltarmos à HORA SOLAR, que é oa hora de Inverno. Agora o disparate de hora de Verão todo o ano é que é um duplo disparate!)

sexta-feira, agosto 31, 2018

Hoje, um número para registo e memória futura, mas que também é sobre o presente!
https://gazetacaldas.com/suplementos/pela-vida-1978-40-anos-do-festival-pela-vida-e-contra-o-nuclear/
E continuamos!

quinta-feira, agosto 30, 2018

Andam a brincar connosco...
julgo que há uma mafia dos sinais. Sinais duplicados, triplicados, quadruplicados, inúteis tantos, tantos, mal colocados e outros a contradizé-los.  Quem os fabrica, em quantidades industriais e os vende ao desbarato e sem qualquer sentido deve ganhar muito dinheiro.
Hoje encontrei dois destes.
Alguém me explica para que servem (serão para assustar ciganos!? ou para nos prevenir para não atropelar algum sapinho? e escorregar?)
Um escandalo!

Recomendo os locais e os livros.

LA LIBRAIRIE FABULA URBIS
&  LA MAISON DES AÇORES DE LISBONNE

proposent deux rencontres
avec l’écrivain Jean-Yves LOUDE

pour la sortie de son dernier récit
UN CARGO POUR LES AÇORES
(Actes Sud)

Après « Cap-Vert, notes Atlantiques », « Lisbonne dans la ville noire »,
« Coup de théâtre à São Tomé », « Pépites Brésiliennes » (Actes Sud),
 « Un cargo pour les Açores » est le 5e livre de l’écrivain français Jean-Yves Loude
 dédié à une approche sensible du monde portugais

 vendredi 21 septembre, à   21h / sexta-feira, 21, às 21h
Maison des Açores / Casa dos Açores
R. Navegantes 21, 1200-729 Lisboa, Tél : +351 21 396 6035

samedi 22 septembre, à 18h / sábado, 22, às 18h00
 à la librairie Fabula Urbis
R. de Augusto Rosa, 27 1100-058 Lisboa - Tel: 351 21 888 50 32
http://www.fabula-urbis.pt <http://www.fabula-urbis.pt>

segunda-feira, agosto 27, 2018

Infelizmente há poucos artigos como este:
https://www.dn.pt/1864/interior/grandella-macon-boemio-e-visionario-9764484.html
que justifiquem a existência de jornais...

domingo, agosto 26, 2018

Aqui, um excelente artigo e uma opinião sobre um dos grandes problemas que nos estão e continuarão, façamos o que for a afectar:

https://elpais.com/elpais/2018/08/24/ciencia/1535112416_443007.html 

https://elpais.com/elpais/2018/08/24/ciencia/1535118678_754998.html

será que em Lisboa já há alguma prospectiva?....

sábado, agosto 25, 2018

A partir desta podem-se ler 10 excelentes reportagem, até com fundo sonoro.
Começa pelo lobo!
http://lab.elmundo.es/parques-nacionales/picos-7.html
continua, por aqui e por ali a haver destas perolas!

Pois, as modas e ideias erradas também podem dar cabo da natureza.
Limitar o consumo de carne, evitar aquela de origem industrial, cheia de anti-bioticos ( e o peixe de cultivo nem falar!), assim como evitar alimentos com óleo de palma, mas também os tofus e outras sensaborrices do género resultado de plantações intensivas de soja... essa é que deve ser a opção. Regimes alimentares mono-varietais são maus para o ambiente!
E claro tentar ter a comida rotulada ou saber que a carne de porco é da nossa matança, ou que o toiro é do múnus do povo (e em Barrancos o é certamente!)
aqui um excelente artigo, que me lembrou quando há muitos anos tive que explicar a uma vegan radical inglesa, que julgava que os porcos eram todos estabulados, a importância do porco pata negra para a vida dos campos, a manutenção do azinho e da ruralidade, e do convívio no entorno da sociabilidade ( e vi com prazer o meu amigo Eugénio Sequeira  falar do disparate deste Alqueva e das culturas intensivas e degradantes do solo que ele propicia. Esse foi o maior crime ecologico nacional!)
Hoje continuamos..
Aqui:https://www.theguardian.com/commentisfree/2018/aug/25/veganism-intensively-farmed-meat-dairy-soya-maize

quinta-feira, agosto 23, 2018

Os burros ainda sobrevivem, mas não graças ao PAN que quer acabar com eles... (veja-se a proposta para acabar com as carroças!)
e:www.aepga.pt
e não esqueçam o voto!
Tenho zurzido e ultimamente ainda mais na total falta de qualidade e qualificação dos nossos jornais ( e o esterco que são os audio-visuais, com escassas excepções, nem falar).
Mas foi logo que esta Sociedade manifestou esta intenção que publiquei que o Zeca ( que conheci mal!) nunca, nunca estaria nessa disposição. Aqui:
 http://signos.blogspot.com/search/label/comunica%C3%A7%C3%A3o
Nem um, nem um jornalista fez qualquer trabalho de casa...
https://expresso.sapo.pt/cultura/2018-08-22-Familia-nao-quer-Zeca-Afonso-no-Panteao#gs.QNZlVxs
mas é com isto que vamos cantando e rindo...

quarta-feira, agosto 22, 2018

Para entreter o tempo releio (e saúdo a edição num português sem os erros que actualmente o enxameiam e cujo deixei de adquirir) esta viagem por Portugal do grande Miguel Torga,
onde me delicio com o capítulo sobre Lisboa...
e recomendo, Lisboa está nas entrelinhas do que poderia ter sido o nosso melhor Presidente...

https://www.publico.pt/2018/08/22/politica/perfil/a-luta-pelo-ambiente-e-a-luta-pela-cidadania-1841660

domingo, agosto 19, 2018

Nem só os burros servem...
                                             carregar para aumentar para leitura
mas são uma das bases filosóficas...
https://opp.gov.pt/proj?search=burros#proposals-list
BOICOTEM OS PRODUTOS COM ÓLEO DE PALMA, entre outros a Nutella!!!!

https://youtu.be/QY4Umsq_1Cg

sexta-feira, agosto 17, 2018

Ideias, positivas, para Lisboa....
https://www.theguardian.com/cities/gallery/2018/aug/17/urban-oases-green-roofs-around-the-world-in-pictures
na minha última passagem pela vereação ainda tive reuniões com entidades vocacionadas para desenvolver estes projectos.
Nos ex-CPLs deve haver registo. Bem sei que agora a lógica da sua intervenção é outra....

Este "pequeno" livro, que li nesta edição:
é um prazer... pequenas estórias, umas melhores que outras e uma escrita de alta qualidade e Paris, c'est toujours Paris, numa visita onde as memórias se interligam com passados e presentes...
Hemingway, em Paris, em Pamplona, no mar, seja onde seja é um dos incontornáveis!

quinta-feira, agosto 16, 2018

Aretha Franklin - Baby I love you HQ



As deusas são imortais!

Sobe-se a escada, depois de sermos exportelados (e dado o estado do Museu e jardins é de facto um roubo!) de 6 euros. O cheiro a bafio e a mofo (será que vão pagar o anti-alérgico?) invade as pituitárias. O ar desgraçado, desde a má iluminação à ausência de qualquer ideia dos tempos a passar (e ausência de tradução de quase tudo!) toma-nos de assalto.
As salas de enfiada sem qualquer informação útil (e o guia, humano, que dava algumas só dizia disparates, que até estive para o corrigir!, mas adiante), os tectos em mau estado e sem a mínima valorização, e a última sala um esterco. Mau, mau muito mau.
Aqui:
http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-nacional-do-traje/
e tão mau como o dito museu (que terá tido umas medalhinhas nos anos 70 do século passado, mas morreu aí!) é o jardim dito botânico! do mesmo, que parece que sofreu uma tormenta e se finou.
Sem a mínima lógica e organização, com quase tudo fechado ou em total despautério, salvo o ninho dos ratos do ar!, a horta, não existe, a estufa não existe, a mata imaginem-na, a sinalização desapareceu o restaurante é vê-lo...por um canudo...
Nada, nada aqui existe salvo a senhora directora e o seu salário....
Mas a nossa comunicação social está muito entretida....

quarta-feira, agosto 15, 2018

Há muito que não digo outra coisa. E por vezes a culpa não é só dos jornalistas....
https://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/pedro-tadeu/interior/o-jornalismo-portugues-e-burro-9718939.html
ou estagiários descabelados ou servidores de interesses  ou instalados no sistema.
Ou meros lacais desses.
Verdadeiros jornalistas, com espinha dorsal intacta há poucos, nas televisões uma agulha e nos jornais estão soterrados.
Noticias ridículas, textos mal escritos, invenções e omissões são mato.
O "Ascensor para o Cadafalso", traduzido, como quase todos os filmes com os pés e sem cabeça
está em exibição no Nimas, e é um filme imperdível. Pela música e sons de Miles Davis, pela grande Jeanne Moreau e pela escorreita realização de Louis Malle.
Hoje depois de uma ida à simpática livraria francesa deliciei-me!
Nesta comprei  4 ou 5 livros, como habitual e hoje à noite tive, com prazer, a leitura deste pequeno e excelente livro do autor do melhor livro de sempre, ou de um dos melhores, "Les Bienveillantes", https://fr.wikipedia.org/wiki/Les_Bienveillantes
este livro disseca uma obra de referência para perceber a ideologia:
há que integrar leituras para analisar o fundo do fascismo, e esta leitura ajuda. Gente dominada pelo complexo de édipo, associada a traumas severos, e por vezes aliada a graves indícios de psicopatia.
Reich teria também sido importante, a sua "Análise Caracterial", que julgo é desconhecida em português, é outra boa ajuda.

segunda-feira, agosto 13, 2018

Vale a pena, em meia hora estamos lá e podemos comer um choco frito, depois ou antes...da visita à Casa da Baía, onde está uma magnífica exposição sobre os roazes do Sado e não só...

http://estrelaseouricos.sapo.pt/agenda/exposicoes-e-museus/um-hino-aos-golfinhos-18939.html

por aqui, alguma evolução também se descobre...
estes os tais, excelentes desenhos do Nuno Farinha!


é pena, no melhor pano caí a nódoa que não haja nem um único papel (um livrinho nem pensar) para que o visitante possa conservar o eco da visita. Aliás a própria Casa não tem um único documento com a sua história...

domingo, agosto 12, 2018

Está a decorrer a votação do OPP
Tenho um projecto, que irá ficar pelo caminho.
Não consegui mobilizar nem a AEPGA, que seria o candidato a beneficiário do mesmo, nem a malta das bicicletas, que seria indirectamente ganhadores nem as entidades que defendem o peão, ou a redução da velocidade urbana.
Até ao momento o fracasso é total. Aqui o projecto:

Os burros são animais lentos. A velocidade excessiva é, além de propiciadora de acidentes, emissora de muito maiores quantidades de dióxido de carbono, gás de efeito estufa.
A nível nacional deve ser feita uma campanha de sensibilização para a diminuição da velocidade, articulada com alteração dos paradigmas de transportes, desde a partilha de carros, o privilegiar do transporte público ou de veículos não poluentes incluindo os eléctricos, que desde as escolas aos meios de comunicação sensibilize a cidadania para esta questão, da velocidade e de outras implicações do individualismo no sistema de transportes.
Os burros são animais que tem uma história também no sistema de transporte e na nossa ruralidade e são, além disso, nalgumas variedades espécie protegida, e são muito, muito fotogénicos e susceptíveis  de empatia.
Uma campanha com base nestes,  com filmes, bonecos, autocolantes animados, anti-stress, livros direccionados para diferentes níveis e acções de sensibilização articuladas com entidades com responsabilidades na área do sistema de transportes, poderia além de contribuir para criar condições de salubridade, urbana e também no geral melhorar e a consciência de um problema que arrisca a dificultar o futuro.
Sejamos burros no tempo e no espaço e com eles aprendamos, também, os valores da diversidade.
Ao direccionarmo-nos para o sistema de transporte estamos também a dar enfase, ao contrário dos discursos que enchem mais a polis, ao principal contribuinte para o défice externo e a maior fonte de emissões poluentes e base das alterações climáticas ( hoje com as renováveis no sistema eléctrico) e ao aliarmos esta a um animal empático estamos a criar condições para uma aproximação suave a um tema que tem que ser enfrentado. O carro individual e o pé direito.

Acções:
Bonecos Anti stress. filme .bonecos/peluches (distribuir com kits explicativos). auto colantes . livros. Acções formação

Aqui onde se pode votar:

Foi uma experiência muito interessante...
Ontem soubemos que foi condenada a Monsanto, pelo glifosato ( inacreditável as cumplicidades que continuam a impedir a sua proibição, seja a nível nacional seja em tantas, tantas autarquias, e em Lisboa!). Aqui:https://www.dn.pt/vida-e-futuro/interior/dewayne-johnson-o-jardineiro-que-derrubou-a-gigante-monsanto-9709046.html
Já basta.
E também, embora o sr. Presidente da Republica continue a ser a voz do bom senso, como foi o caso ontem em Monchique!, e pelo facto de ter recebido e dado atenção ( muito a propósito) aos grupos que lutam contra o "furo" e a extracção de petróleo, que se derrama em cima dos fogos...
Descobri um mapa das fugas de petróleo no mar do Norte:
já tem alguns anos, mas nada mudou.
É uma tecnologia do passado, que só interesses e tonturas querem continuar para o futuro. Com os agro-tóxicos, disfarçados com o nome de pesticidas.

sábado, agosto 11, 2018

Um artigo, repositório de algumas leituras, sobre viagens.
https://elpais.com/cultura/2018/08/07/babelia/1533659961_914959.html
temos que continuar a caminhar...

sexta-feira, agosto 10, 2018

Bebo Valdés & Diego El Cigala.- Lágrimas Negras

Um vídeo arqueológico, sobre os comboios em Portugal:
https://www.dailymotion.com/video/x2azmpb
vale a pena!

terça-feira, agosto 07, 2018

É tempo de leituras, enquanto vemos uma série de aventesmas ( mas onde é que os vão buscar? não haverá nenhum jornalista informado sobre quem deve contactar?) a perorar sobre incêndios, política agrícola e florestal, ordenamento do território.
Nada do que se passa não estava escrito nas estrelas. E não é nada que não vá continuar...
As alterações climáticas, as alterações do uso do solo, as monoculturas florestais em locais inadequados, o fim da agro-pastorícia ( e dos apoios financeiros a esta que mantêm a capacidade do solo!), a ocupação desordenada do território, articulada com o fim da silvo-pastorícia.
E uma cultura de combate aos incêndios obsoleta, e não me venham dizer que é o que se faz lá fora (é de facto e fazem, também, mal, muito mal como se tem visto na Califórnia, na Austrália ou na Grécia!). Tem que se usar outros tipos de materiais e outros métodos de combate aos fogos, que aparentemente... continuam a ser ignorados.  É claro que não é agora com as chaves na mão e a casa a arder que se pode alterar o paradigma.
Há cerca de 40 anos escrevi e escrevo sobre fogos, escrevi em 1982 um pequeno livrinho, que re-leio. Está lá tudo o que continua a acontecer.
Este ano,  com a falta de projectos a reduzir os meus recursos a quase zero, em Lisboa, vou relendo os clássicos (se houver por aí alguém com ideias ou necessidades de, para projectos, em consultoria e educação ambiental ou energias...).
Este é de sempre e de todos os dias. Deveria ser obrigatório!
neste lemos algumas soluções para o papaguear que nos vai invadindo, tantas vezes sem nexo nem sentido...

segunda-feira, agosto 06, 2018

Tive ocasião de referir que as renováveis estão por cá... porque em Ferrel, lá para Peniche não se constriu uma nuclear....
"
Vamos continuar a caminhar

Em boa hora tomou a Junta de freguesia de Ferrel esta iniciativa, nomear Ferrel Capital da Luta Contra a Nuclear.
Com base no trabalho, também da Patrimonium e da Inês Lourenço, mas sobretudo herdando os muitos milhares que aqui em Ferrel, mas de e em todo o lado conseguiram que estivéssemos, em Portugal também, livres da ameaça da nuclear.

Cerca de cem marcharam no sábado dia 4 desde a igreja, onde várias vezes os sinos tocaram a rebate, até o Moinho Velho, onde a acção terminou com pequenos mas sentidos discursos.
O nosso amigo Joaquim Jorge foi o guia mas também foi ele que esclareceu, para os mais novos, que éramos quase todos, algumas peculiaridades desta luta.
Connosco estiveram companheiros espanhóis da ADENEX, Associação Defesa da Natureza da Extremadura, que na mesma altura de Ferrel não conseguiram impedir os dois grupos nucleares de Almaraz e que agora Ferrel, todos os que somos desta habitantes, e o somos todos desde logo, temos que ajudar a não ter o seu tempo de vida prolongado (um acidente traria até aqui as nuvens radioactivas!).

Ferrel para honrar os seus compromissos tem que manter a memória viva e essa é empenho na luta contra a nuclear, aqui, ali e acolá, e também pelas energias renováveis, como referimos que estão bem representadas no concelho de Peniche, e pela sustentabilidade, a transição energética e uma economia circular, em espiral.

Uma exposição estará presente, sobre a luta, o livro #Almaraz e outras coisas más# à venda na Junta e outros projectos para dar continuidade a este novo tempo, a este novo epigrama que coroa Ferrel, estão em agenda.
Desde logo um livro do  Joaquim Jorge para breve, e colóquios, conferências e filmes estão previstos.
Estive presente, com o director da Gazeta e meu amigo José Luiz, nesta iniciativa e posso empenhar a Gazeta das Caldas em todo o apoio a este projecto e sua divulgação.
Também em nome do FAPAS, Fundo para a Protecção aos Animais Selvagens, que represento na acção contra a nuclear e afins, quero manifestar o total compromisso em dar a esta iniciativa a maior pujança.
Ferrel terra de burros, inteligente e produtivo animal, aqui brasonado, e de gentes sem temor merece, uma caminhada assim.
António Eloy
"
E aqui estão elas a bombar...


sexta-feira, agosto 03, 2018

E também amanhã, para os que estiverdes por essa zona, mais uma caminhada!

quinta-feira, agosto 02, 2018

Á escolha do freguês, os dois contam com o meu apoio e empenho, mas não resisto a uma caminhada...

terça-feira, julho 31, 2018

Fui hoje visitar a exposição Futuros de Lisboa:
https://www.futurosdelisboa.museudelisboa.pt/exhibition
tenho que dizer que o espaço, o piso térreo! é espectacular.
A exposição globalmente não é má, mas dada a qualidade dos comissários, João Seixas, Sofia Guedes Vaz e Manuel Graça Dias, esperava mais, muito mais.
A parte do piso térreo, que desde logo é fantástico é muito interessante e inovadora, num tempo em que a interculturalidade e as migrações são a pedra de toque da democracia ( ainda ontem recebi de um antigo vereador de Lisboa propaganda NAZI!).
O andar de cima, bom os desenhos são excelentes embora a organização duvidosa, alguns dos utensílios não se sabe porque raio foram lá parar e outros necessitavam mais explicação, e o espaço outra organização, nada que se possa assacar senão lateralmente aos  comissários mas a outros....
De qualquer forma é uma mais valia para Lisboa, num tempo em que a praga dos tuctucs toma conta de tudo.
E o alojamento local e as lojas para turista ver invadem ( obrigado Robles! por ter posto o povo a falar disto!) a cidade.