domingo, agosto 23, 2015

Río Tajo, Toledo España, contaminado y moribundo HD

Río Tajo, Toledo España, contaminado y moribundo HD



O rio da minha aldeia...
está a ser morto!


Aqui as consequências do transvase, logo em Toledo (posta acima!, por erro "técnico").
Mas também o risco nuclear...

Uma artigo sobre a tristeza que passa...
carregar para ler, podia ser por um qualquer dos tantos que por Lisboa e por todo o país vão dando a alma ao criador!

Uma excelente ideia para aproveitar a energia solar:
http://signos.blogspot.pt/search/label/Energia%20Solar
talvez para a Lisboa-Enova...
e aqui outra, para ilustrar:
a foto é de ontem, que é tempo de apanha...
Há, ou havia?, alguns no Jardim tropical, em Belém.
É uma das árvores que faz parte do meu imaginário e que colecciono, tenho viajado em busca dela, sobretudo pela Macaronésia toda de onde é originária. Em Algés há um exemplar fabuloso. Este faz parte da minha visita anual. Em Tavira:
Li vários livros, espessos, que se acumulavam ( e também uma edição de algumas obras primas e muita mediocridade editada pela CML de cerca de 30 livrinhos Edição, original, da Casa dos Estudantes do Império, numa edição cuidada, é certo).
Um muito interessante # Le Club des Incorrigibles Optimistes# de Jean-Michel Guenassia, que nos descreve (estória real!) a vida de um, num, café em Denfert-Rochereau, no 14eme.
Hoje os café transformaram-se, ou fecharam como este, ou um que publicarei em próximo post, em Madrid. Vão, por aqui e por ali surgindo locais de tertúlias e troca de ideias e sensibilidades. O mundo muda.

domingo, agosto 09, 2015

Um magnifico livro, que julgo tem tradução, para as férias.
Tem algumas observações sobre cidades e algumas linhas espectaculares sobre comboios, pena Tony Judt ter morrido sem escrever a sua história dos caminhos de ferro...
É um tijolo, letra pequena, mais de 400 páginas, que levei muito tempo a ler...


Do meu blog:

“A tendência da democracia de massas de produzir políticos medíocres. (...) A política não é lugar para onde gente com inteligência vivaz e com visão tenda a envolver-se.”

“A maioria dos jornalistas, e isso tem que ver com a natureza do poder e da comunicação de hoje, tem tanto medo de perder o seu estatuto como de estarem errados.”

(...)
Muito interessantes, numa era em que a economia continua à deriva, as observações sobre Keynes, no último capítulo, bem como o estabelecimento de doutrina sobre o Estado Social, numa economia e sociedade liberal.
Mas são as citações acima as que achei que devia encerrar estas observações sobre este livro de um verdadeiro enciclopedista.
É infelizmente a constatação, que aqui temos vindo a fazer, repetidamente, da falta de categoria e capacidade da nossa classe politica, a generalidade abaixo de qualquer classificação, qualidade ou inteligência. Uns pelintras, vigários e baços. E mentirosos (esta última dos cartazes do PS é abaixo de cão!)... já tínhamos tantos Pinóquios....
E sobre o jornalismo... que dizer quando a maioria bajula... os referidos, só vivem pelo efémero e o que lhes dá uma “caixa” ou paga uns jantares. A maioria ou estagiários mal pagos ou membros da referida casta.
Bom por aqui fico. Vou estar fora até dia 21 e por isso não voltarei em breve.


terça-feira, agosto 04, 2015

Chegou-me hoje mais um relatório sobre as Alterações Climáticas. O degelo é de 150 centimetros por ano.
Ou seja cada ano milhoes de litros de água gelada entram no circuito de ar condicionado da Terra, com consequências meteorológicas imprevísiveis (hoje temos inundações catastróficas na Flórida!).
Por cá temos também más noticias. Fala-se da diminuição dos preços da energia, com todas as más consequências que isso pode acarretar para o clima e também para a sustentabilidade.
E os programas eleitorais na generalidade, tirando uma ou outra boa ideia, são ou ignorantes ou maus sobre as  necessidades da alteração dos paradigmas de uso das energias, necessários.
Temos novamente dados sobre energias renováveis na região de Lisboa:
O solar, activo (fotovoltaico) ou passivo (térmico) está, apesar dos problemas e burocracias, de vento em popa.
Já o vento não tem sido excelente mas mesmo assim continua a bombar (inacreditável! e irrevogável, claro) e permitiu  "abastecer 16 % das habitações de Lisboa."
Mas tudo será trabalho e futuro deitado fora se não houver políticas acertivas que ignorem a pressão e interesses dos fóssseis e da sua economia de casino.

segunda-feira, agosto 03, 2015


Foi a 30 de julho de 1848 que Lisboa foi pela primeira vez iluminada com candeeiros a gás. Os 26 aparelhos acesos no Chiado pertenciam à Companhia Lisbonense d’Iluminação a Gaz, criada dois anos antes, em Agosto de 1846.

Foi em vereação a que dei contributo e empenho, do Luís Coimbra, que iniciámos, com muitas resistências dos serviços bem untados, a substituição das velhas lâmpadas por leds.
Hoje a factura de electricidade da iluminação pública e o gasto energético é muito menor.

O Evaristo andou por aqui durante algumas décadas....
 

quinta-feira, julho 30, 2015

Não vi, mas deve ter sido por distracção minha, a assinatura de nenhum Presidente de Câmara nacional, nem a do Fernando Medina, mas pode ter sido distracção.
Se não for o caso, alguém lhe pode fazer chegar este documento...
http://www.pass.va/content/dam/scienzesociali/booklet/declaration21july2015.pdf
O Papa Francisco continua a fazer das suas. Nesta matéria M.B!

terça-feira, julho 28, 2015

Hoje foi um dos temas do meu programa, na Rádio Montemuro:
http://www.citylab.com/design/2012/03/gardens-top-city-buses-would-never-work/1395/,
e já fiz a proposta à ADENE e à Lisboa e-nova...
lendo a notícia percebe-se que havia muitos problemas associados, que tem vindo a ser, quase todos, resolvidos...
Hoje estão em funcionamento e com funções significativas.
Nota P.S.
Recebi duas simpáticas respostas.
Remetendo-me para o que foi feito na ETAR de Alcântara e para Carris, que poderá ser entidade que possa estudar este desenvolvimento. Nada a ver com o Angelo!....

quarta-feira, julho 22, 2015

Nesta excelente foto de Rui Cunha vê-se o Tejo, em Santarém, quando ainda tinha... muita água:
hoje é muito, muito menos.
Este post é para referir a minha total insatisfação, absoluta incompreensão, e verberar o enorme erro do, de resto um dos melhores ministros, talvez o melhor, deste governo, Jorge Moreira da Silva.
Então não é que (porque carga de água?, mas porque carga de água mesmo!) foi "re-assinar" a lamentável Convenção de Albufeira (sobre os rios ibéricos) que todos os grupos ecologistas, todas as pessoas envolvidas na política de água, com princípios e filosofia ambiental, acham execrável, seja por não garantir caudais em quantidade suficiente, seja por ser omissa em relação à qualidade, com a ministra espanhola, e que deveria ser, imperiosamente, revista!
Mal, muito mal no caso vertente, esteve Jorge Moreira da Silva.

terça-feira, julho 21, 2015

A foto é uma simulação do futuro de Nova York:
mas o artigo é claro:
já passámos o limite. As consequências serão alarmantes, mesmo que a conferência de Paris consiga chegar a acordo sobre os mitológicos 2 graus de aumento da temperatura. Os efeitos cumulativos já são inevitáveis.
E Lisboa? O Terreiro de Paço transformado em S. Marcos, as águas do Tejo a chegarem ao Retiro das Freiras, a baixa a andar de canoa...
Para memória futura... próxima....

sábado, julho 18, 2015

Lisboa em 1946, há quase 70 anos, foto de Roger Kahn, do Cais da Ribeira:

quarta-feira, julho 15, 2015

Oxalá não nos caía a pedra em cima...mas para lá nos conduzem...
políticos sem ideias, só com interesses do capital financeiro nos alfobres, que levam a Europa ao precipício.
Cair-nos-à tudo em cima... qual os 4 cavaleiros...

segunda-feira, julho 06, 2015

Nos 80 anos de Sua Santidade, o Dalai Lama:
deixo aqui este registo.
E aqui uma evocação da sua passagem pela C.M.L., onde foi, e muito justamente, honrado com a chave da cidade, quando outros continuam a virar-lhe as costas...
http://signos.blogspot.pt/search/label/Dalai%20Lama
O Verão vai ser uns dos mais quentes de sempre. Será esta a litânia dos anos, dos próximos, todos.
O aquecimento global é indesmentível, assim como indesmentível mesmo que sejamos mira e amaral, que a origem antropogénica é certa.
Até a encíclica papal o diz com todas as letras, pese o desconforto do mira dos USA, o bush.
A Laudato Si também desenvolve as energias renováveis e as promove, assim como refere as culpas do capitalismo de casino na destruição do planeta.
Por cá temos tido políticas sem mira acertada e outras com esse no olho, ou no bolso, mas apesar de tudo, graças ao empenho de sectores empresariais e ao desbravar do caminho que associações e activistas ecologistas trilharam podemos dizer que não estamos muito mal.
Poderíamos estar melhor, a Lisboa Enova (lisboaenova.org) falta-lhe vitalidade e, talvez recursos e sobretudo uma estratégia. Fica para uma próxima, que de qualquer forma, tem um trabalho meritório que não quero deixar de registar.
E hoje:
(...)
Energia Fotovoltaica
Geral: Durante o último mês, 167% das necessidades de electricidade de uma família típica na região de Lisboa foram cobertas/satisfeitas por uma instalação padrão de painéis solares fotovoltaicos.

Detalhe: A produção doméstica de electricidade a partir de painéis fotovoltaicos correspondeu a 509,5 kWh , o que permitiu abastecer todos os seus consumos, os electrodomésticos da cozinha, a iluminação e os equipamentos de climatização do vizinho .

Energia Solar Térmica
Geral: Uma instalação média de painéis solares térmicos na região de Lisboa permitiu cobrir 89% das necessidades de aquecimento de águas de uma família padrão durante o mês anterior.

Detalhe: O aquecimento de águas a partir de painéis solares térmicos em Lisboa permitiu a uma família poupar, por exemplo, 15,75 m3 de gás natural, durante o último mês.

Energia Eólica
Geral: Durante a último mês o vento permitiu gerar, em média, electricidade suficiente para abastecer 123 000 habitações , graças à produção de todos os parques eólicos em funcionamento na região de Lisboa.

Detalhe: A produção de electricidade de origem eólica no mês passado permitiu abastecer 11 % das habitações de Lisboa.
(...)
aqui fica o registo da APREN. A favor de ventos e marés, e sem mares que nos detenham...


sábado, julho 04, 2015

Uma boa ideia:
http://www.terraeco.net/Parisiens-vegetalisez-votre-ville,60451.html
que quando passei pelas vereações em Lisboa tentei desenvolver, na altura sob forma de "jardins verticais", sem grande sucesso. Mas foi chão que nem deu uvas.
Talvez alguém ainda vá a tempo...

quarta-feira, julho 01, 2015

É amanhã, na Sociedade de Geografia:



segunda-feira, junho 29, 2015

Uma capa notável e um excelente dossier sobre eco-cidades:

terça-feira, junho 23, 2015

Estamos aqui:

nesta fabulosa fotografia da NASA de 2012. Vê-se um olho de furacão!