segunda-feira, novembro 19, 2018

A demagogia e o populismo larvar já chegaram a Portugal, em formas refinadas e com os maiores apoios mediáticos.
Discussão sobre os temas que são importantes não há, a não ser meia dúzia de bocas sem sentido, e especulação, mas os velhos processos ainda contam....
Eu estou já há algum tempo a preparar uma candidatura, mas será de novo tipo. E não haverá broncas destas:


domingo, novembro 18, 2018

Sou capaz de estar a repetir esta noticia, mas continuo a ter que explicar isto, que o meu querido amigo explica muito, muito melhor:
https://www.sabado.pt/vida/pessoas/detalhe/claudio-torres-d-afonso-henriques-nao-conquistou-lisboa-aos-mouros-foi-aos-cristaos?ref=HP_Especiais



este é só para ilustrar. Tudo tem a sua estória e o seu tempo...
Realizou-se no magnifico espaço da Alfandega ( do Porto) a 2ª CannaDouro, feira do Cânhamo e dos seus usos.
Este ano a questão do uso terapêutico este em grande plano, mas também a questão do uso como material de construção teve grande relevância.
Lamento, embora milhares de "fumetas" tenham estado presentes, que o uso recreativo tenha ficado um pouco fora das discussões que não dos fumos.
milhares de pessoas estiveram presentes ( entradas a 5 euros), talvez 10.000 nos dois dias ou mais.
Conferências muito participadas e expositores em número mais reduzido que o ano passado mas cobrindo as diversas áreas da folha.
Incompreensível como não há uma em Lisboa!

quinta-feira, novembro 15, 2018

Alternativas são necessárias ao carro particular, e embora não pense que muitas das soluções aqui propostas sejam mais que ficção científica e gasto do nosso dinheiro em especulações teóricas, algumas são sensatas e com muita utilidade, mas há que avançar com calma, talvez se tenha perdido uma oportunidade para os burros...
E este livro é uma oportunidade perdida, não aborda novos sistemas de ligações urbanas, novos sistemas interactivos, novos lógicas de gestão espacio-temporal, mas são 20 e tal catedráticos. Está tudo dito!

quarta-feira, novembro 14, 2018

Bem sei que não é fácil e se calhar faria esta, onde o tema será incontornável, correr riscos, mas penso que não faz sentido ignorar a legalização do cannabis, para todos desde que responsáveis.
infelizmente o tema não está na agenda e não aparece em nenhuma das conferências.
Não deixaremos de fumar umas ganzas, aqui, ali ou acolá.
E tenho que dizer qie é lamentável, absolutamente lamentável que Lisboa não tenha uma feira destas!!!!

domingo, novembro 11, 2018

Estas as notícias que vou enviar a mais de 120 contactos dentro de algumas horas.
Hoje, por ter especial, interesse para Lisboa, aqui ficam:

39
12 Novembro 18

Nuclear
Um excelente instrumento:
 e, nós não perdemos uma;
embora o que nada do que nos dizem seja original....
Estou a preparar um dossier para apresentar à vereação de Lisboa sobre as situações de emergência radiológica na Tejo.
Pois hoje tive que apresentar queixa à C.A.D.A.. No dia 26 de Outubro ( já passaram 10 dias) pedi ao director do Laboratório de Protecção e Segurança Radiológica, o Dr. João Alves, os dados referentes ás analises radiológicas do Tejo em 1986, ano em que fui vereador e a C.M.L. aprovou uma forte moção sobre Almaraz e o grave incidente, de então, no Tejo. Parece que estes dados estarão em “segredo”, não de justiça....mas pagamos para quê?
E como aqui nestas notícias já referi fiz-me sócio desta instituição, que divulga as notícias, algumas delirantes é certo, mas também informação onde é gasto o nosso dinheirinho a fazer de conta, como:
aqui... se não o soubéssemos há muito.

Renováveis
Os dados da A.P.R.E.N.:
que  em 30 anos, agora concluídos, tem um registo notável!
E não é só por cá que as renováveis dão cartas:
e um artigo muito curioso e que muito precisamos, para esclarecer algumas fake news...

Biodversidade
Uma boa notícia que encaixo aqui:
Aqui, mais tipo opinião...
e esta é mesmo opinião ( obrigado L.S., já a tinha, não a ia divulgar, mas vale para discussão!)
também andámos por aqui:

Consumidores
Eu deixei a Amazon, depois de dois livros pagos e nunca recebidos, nem $ devolvido, mas: https://theecologist.org/2018/nov/06/avoiding-amazon-our-online-lives
encomendem na Ler Devagar, ou na Livraria Francesa, ou vão a Espanha!
E uma estória bonita:


Prenda
Hoje, para os meus amigos/as esta:

António Eloy
O.I.E.

sábado, novembro 10, 2018

É hoje o último dia, a não ser que casas cheias sucessivas levem a prolongar  o espectáculo:
https://teatro-da-rainha.com/%20/eventos/o-filho-de-jon-fosse/
em cena no fantástico Teatro da Rainha.
não conhecia o autor, mas sei que o empenho do Teatro da Rainha é trazer-nos pensamento.
E aqui temos reflexão sobre a solidão e a
morte, que nos é trazida com textos densos e de grande qualidade por mais este número de Claves, que também aborda, como a peça que nos faz pensar, um sistema decadente, o nazi-populismo e muitos outros temas.
Faz falta um espaço, onde se possa discutir cultura e teatro, num enquadramento ponderado e de reflexão. E entre gente civilizada, o que desde logo exclui quem não sabe o que isso é, como a sra Ministra da Cultura.

quarta-feira, novembro 07, 2018

De Miguel Boeiro, a quem envio um abraço, porque recorda os "Alfacinhas" que fizeram história, em Lisboa.

Alface

Leitor, se amas o campo e a natureza,
Se és bucólico e rude e, na tua rudeza,
Só respeitas a força e a saúde;
Se às convenções da sociedade, opões
o desdém pelas normas e preceitos
que trazem pelo mundo contrafeitos
cérebros e corações;
Se detestas o luxo e se preferes,
Francamente, às senhoras, as mulheres,
E tens, como um pagão da velha Esparta,
Pulso rijo, alma ingénua e pança farta;
Se és algo panteísta e tens bem vivo
esse afagado ideal
do retrocesso ao homem primitivo
que nos tempos pré-históricos vivia
muito perto do lobo e do chacal;
Se um ligeiro perfume da poesia
que se ergue das campinas,
Na paz, no encanto das manhãs tranquilas,
Te dilata as narinas, e enche de gozo as húmidas pupilas,
- Leitor amigo, se és assim, vou dar-te,
«Se a tanto me ajudar o engenho e arte»
Uma antiga receita
que os rústicos instintos te deleita
e frémitos te põe na grenha hirsuta.
Leitor amigo, escuta:

Vai, como o padre-cura, cabisbaixo,
Pelos vergais da tua horta abaixo
quando no mês d'abril, de manhã cedo,
a luz cai sobre as franças do arvoredo,
Para sorver aqueles bons orvalhos
chorados pelos olhos das estrelas
no coração dos galhos;
Passarás pelas couves repolhudas, -
Cuidado, não te iludas,
Nem te importes com elas -
Vai andando...
Mas logo que passes
ao campo das alfaces,
Pára, leitor amigo, e faz o que te digo:
Escolhe, de entre todas, a mais bela,
Folhas finas, tenrinhas e viçosas
como as pétalas das rosas,
E enchendo uma gamela d´água pura e corrente,
Lava-a, refresca-a cuidadosamente.
Logo em seguida (e é o principal)
Que a tua mão, sem hesita, lhe deite
um fiozinho de azeite, vinagre forte e sal,
E ouvindo em roda o lúbrico sussurro
da vida ansiosa a propagar-se, que erra
em vibrações no ar,
Atira-te de bruços sobre a terra
e come-a devagar,
filosoficamente... como um burro!
In Poemas Portugueses - Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI, Porto Editora
António de Macedo Papança, Conde de Monsaraz (1852-1913)
Eis a introdução poética e jocosa que me atrevi a escolher para introduzir a alface, legume abundante e conhecido de toda a gente. A Lactuca sativa pertence à família das Asteraceae e é utilizada há milénios na alimentação humana em praticamente todo o mundo. É uma planta bienal pois só ao segundo ano espiga e floresce através de capítulos providos de pequenas flores de amarelo pálido. O crescimento das folhas surge em roseta à volta do talo central.
Existem inúmeras variedades de alfaces: repolhudas, frisadas, de verde-escuro, de verde-claro e até acastanhadas. O tema é tratado profusamente em compêndios botânicos de todo o mundo O interessante “Traité pratique de Culture Potagère pour l’Afrique du Nord”, que em 1944, já ia na 4ª edição, dedica à alface treze robustas páginas.
As folhas da alface são constituídas fundamentalmente por água, numa percentagem que atinge os 95%, mas contêm também potássio, cálcio, ferro, fósforo, magnésio, silício, betacaroteno e vitaminas K, C e do complexo B.
Como é sabido, a alface deve ser consumida crua, porque se for cozida perde parte dos seus preciosos nutrientes.
Tem propriedades sedativas, alcalinizantes, relaxantes, laxantes, remineralizantes e calmantes. Ajuda a emagrecer devido ao seu baixo conteúdo energético e por garantir a rápida sensação de saciedade. O seu látex é sonífero. É igualmente recomendada para baixar o colesterol, fortalecer o sistema imunológico, prevenir a anemia e favorecer o trato intestinal por via do conteúdo em fibras.
Do livro “Dicas de Alimentos e Plantas para a Saúde” (Biblioteca da Sociedade Portuguesa de Naturalogia), respiguei, com a devida vénia, o seguinte:
A alface estimula o metabolismo e ajuda a digestão e a excreção. Possui uma irradiação quase imediata de um processo de dissolução de gorduras. Os minerais que contém chegam ao baço que é o órgão produtor de elementos imunológicos fundamentais, capazes de proteger o corpo das doenças. Esses minerais provocam um impacto direto benéfico sobre o fígado, melhorando o estado geral de todo o corpo, revigorando o metabolismo, ajudando a limpar as células gordurosas e facilitando a descarga dos resíduos acumulados.
Posto isto, só nos resta seguir o conselho do Conde de Monsaraz e mastigar lentamente as folhas da alface, como um herbívoro.

terça-feira, novembro 06, 2018

Envia-me hoje Raimundo Quintal, este magnífico roseiral. 
Nome científico: Rosa mandonii
Nome vulgar: Roseira-brava-da-Madeira
Família: Rosaceae
Porte: Arbusto trepador
Origem: Ilha da Madeira
Morada: Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha - Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal

segunda-feira, novembro 05, 2018

Recomendo, sobretudo para os que acham que a realidade se esgota naquilo que sabemos...
neste documentário até os que conhecemos os meios e a história ficamos a saber mais, sobre as relações perversas entre a finança e a política, o que no Brasil se chamaria jeitinho ou com todas as letras corrupção.
O sistema americano, uma simulacro de democracia tem de tudo...

domingo, novembro 04, 2018

É um assunto que me tem preocupado:
https://www.dn.pt/mundo/interior/trotinetes-a-solta-em-madrid-ja-provocaram-22-acidentes-10121836.html
não percebo como é possível que uma empresa, sem quaisquer regras, sem qualquer responsabilização do utente, seguro ou mesmo civismo,esteja a invadir Lisboa, a deixar a esmo pelos passeios, quem é responsável se alguém chocar contra uma delas deixada a meio do passeio, como tenho visto, quem paga algum acidente, que verifica o material, onde se pode andar, pelos passeios, pelos corredores bus, pelo meio da estrada, pelas ciclo vias, por onde?
Mas a C.M.L. e o seu Presidente Manuel Salgado manifestamente, agora, só se interessam pelo negócio. Senhor arquitecto veja se dá atenção a esta situação, é que o Risco, é grande.
Infelizmente, como no país, não há oposição.
Já tinha colocado este post, quando descubro:
https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/vao-morrer-pessoas-a-andar-de-trotinete-em-lisboa
confirmo tudo o que disse. 

sábado, novembro 03, 2018

Vivemos rodeados de mentiras e não há bom jornalismo, ou investigação séria, suficiente para as contrariar, além de que também vivemos atolados em jornalismo (desde logo quase tudo das nossas televisões, mas também tudo o que está relacionado com a manha) em muito dito jornalismo, de sarjeta. E opiniões nulas.
Esta revista, tem tido altos e baixos, mas é um excelente utensílio para saber ler...

quinta-feira, novembro 01, 2018

Ir ao país rural, onde há civilização e também toiradas, onde se come, também carne de bravo, e onde se teoriza sobre a comida (hoje em Santarém foram apresentados dois volumes fantásticos sobre a história social da gastronomia no Ribatejo, por Armando Fernandes, um dos nossos civilizados especialistas também de toiros!) e onde se respira.
E recomendo que aproveitem o fim de semana e enquanto os "bolsonaros", Manuel Alegra dixit, do higienismo e animalismo não determinarem que comer não é um acto social e civilizacional.
E também recomendo, e aí também se come e se desenvolve convívio e civilização e desde logo cultura,
como habitualmente com um cartaz magnífico que para a sua Graça terá sido feito por algum cromagnon, sem civilização.
Já tivemos pior, um que nem sabia quem era Saramago e o desprezava, mas agora ter uma ministra destas, sem cultura nem educação para o cargo.... já basta!

Para celebrar a vida, também aqui:
https://www.dn.pt/pais/interior/20-anos-do-templo-que-desenhou-a-alameda-mahatma-gandhi-10115949.html

quarta-feira, outubro 31, 2018

Uma primeira página espectacular, sobre um tema da maior preocupação!
é preciso agir!

terça-feira, outubro 30, 2018


Gosto de espaços termais, que frequento desde miúdo em companhia, então, dos meus avós.
E gosto de bons livros, também romances, policiais ou espirituais sobre esses espaços.

Montalbán tem um # El Balneario# e hoje encontrei outro que faz a outra mancha, espiritual:
https://lamilanabonita.com/2012/10/20/en-el-balneario-herman-hesse/

Este é um problema muito, muito sério. A democracia está a ficar nas mãos disto:
e não podemos ficar parados. Não uso o facebook, exerço em dois velhos, muito velhos blogs, e reduzo outros só para comunicação. Prefiro falar e conferenciar ao vivo. Mas a mentira está a tornar-se verdade....

E mais de 70% da população mundial acha que isto é ficção científica e que na realidade foram os pozinhos de prilim pim pipi de um senhor que há 4.000 e tal anos criou isto tudo.... https://www.nytimes.com/2018/10/25/science/fish-evolution-shallow-coasts.html

a ignorância, a ignorância é assustadora.

domingo, outubro 28, 2018

Hoje visitei um património notável,
a menos de uma hora de Lisboa, perto da Gruta do Pena, essa em impecável estado de manutenção e com pessoal extremamente qualificado, aqui:http://signos.blogspot.com/search/label/Gruta%20do%20Pena
pois várias pegadas de dinossáurios:
                                                               aqui uma vista global

 e
e
que, contrariando o cartaz mal amanhado, mal colocado e mal enquadrado, estão totalmente ao abandono, sujeitas a degradação e destruição, sem qualquer enquadramento ou explicação e em contradição com qualquer lógica de conservação do património e gestão sustentada.
É isto o país que temos?!


É um dia mais triste para Lisboa.
Um dos homens mais sabedores da nossa cidade, sobre Lisboa, morreu.
https://www.dn.pt/cultura/interior/morreu-o-olisipografo-jose-sarmento-de-matos-10098296.html
Gostei desta notícia, sóbria e com uma foto excelente.
Como habitualmente teremos os corvos a perorar sobre o artista.
Compartilhei com ele espaço na Expo 98 e coloquiávamo-nos quando vivi e partilhávamos restaurante em Campo de Ourique.
Disse-lhe do meu apreço, em vida. Ora só me resta fazer votos que a C.M.L. o honre adequadamente, assim como as autoridades do Estado.
Em Lisboa o seu nome e obra perdurarão.
Voltamos ao ritmo solar.
Por ignorância há quem não se aperceba que é nesta hora que deveríamos ficar. Sempre!