terça-feira, Abril 15, 2014

quinta-feira, Abril 03, 2014

Todos ao Bombarda no dia 12 às 15h!


Há também visitas aos Capuchos, Santa Marta e São José, mas uma delas já está esgotada. Mais infos em http://debaterlisboa.am-lisboa.pt/documentos/1396362006K1nPZ9ef6Fx41AT5.pdf.

Esta situação, que me chega ao conhecimento e já testemunhei é gravissima e deveria merecer intervenção, também, do responsável pelos transportes da cidade de Lisboa, se o houver:

A carta foi enviada por mail dia 28 e até hoje moita carrasco:

"
Enviada: quinta-feira, 27 de Março de 2014 10:46
Para: Município de Oeiras
Assunto: Ex. mo Sr. Presidente

geral@cm-oeiras.pt

Ex.mo Sr . Presidente da C.M.O.

Inacreditável!

O que se passa nas cabeças que gerem a Câmara de Oeiras.

Numa altura em que se opta pelo transporte público, numa altura em que a ligação intermunicipal deve privilegiar o comboio e outras formas, que contribuem para poupanças de combustível e recursos, a C.M.O. proibiu o parqueamento automóvel na zona norte da estação.
(...)
"
É uma situação absolutamente absurda!!!!
No more comments, é o concelho que tem, já, um ex presidente na prisa!
Recebi na 6ª passada o último relatório do IPCC, International Panel on Climate Change.
É assustador, e está aí.
As migrações, associadas ou não à crise do cereal, o aumento e acidificação dos oceanos, as secas e os fogos, as inundações e a erosão, a economia a rebentar, tudo está aí.
Quem quiser o relatório é só pedir, e ficará como eu sem dormir!!!
Os nossos políticos continuam a disparar para o lado, e basta ver o nível da pré-campanha europeia para perceber que Le Pen e Grillo já por aqui rondam, nem que seja nas trivialidades e boçalidades de que esta campanha está a ser feita.
A sociedade, nós, temos obrigação de dar uma resposta. Sobre o voto nem falo, mas iniciativas e capacidade de empreender e inovar andam por aí.
Venho, novamente, divulgar os dados da prodição de renováveis no distrito de Lisboa.
Este é um dos caminhos para contrariar o Armagedão!
Clicar para aumentar o quadro, e aqui, para esclarecimentos:
Energia Fotovoltaica
Geral: Durante o último mês, 115% das necessidades de electricidade de uma família típica na região de Lisboa foram cobertas/satisfeitas por uma instalação padrão de painéis solares fotovoltaicos.
Detalhe: A produção doméstica de electricidade a partir de painéis fotovoltaicos correspondeu a 361,8 kWh , o que permitiu abastecer todos os seus consumos, a iluminação e os equipamentos informáticos do vizinho .

Energia Solar Térmica
Geral: Uma instalação média de painéis solares térmicos na região de Lisboa permitiu cobrir 66% das necessidades de aquecimento de águas de uma família padrão durante o mês anterior.
Detalhe: O aquecimento de águas a partir de painéis solares térmicos em Lisboa permitiu a uma família poupar, por exemplo, 11,97 m3 de gás natural, durante o último mês.

Energia Eólica
Geral: Durante a último mês o vento permitiu gerar, em média, electricidade suficiente para abastecer 234 000 habitações , graças à produção de todos os parques eólicos em funcionamento na região de Lisboa.
Detalhe: A produção de electricidade de origem eólica no mês passado permitiu abastecer 21 % das habitações de Lisboa.  




terça-feira, Abril 01, 2014


Quando mencionei a agricultura nos telhados e as hortas verticais olharam-me como se fosse maluco ( o mesmo olhar que me deitaram quando falei dos veiculos aéreos a hidrogéneo...no futuro do passado!).
Mas:http://www.publico.pt/sociedade/noticia/vamos-ao-telhado-buscar-a-salada-1629689
a utopia já se concretiza em muitas, muitas cidades da Europa e dos States.
Por cá continua tudo remetido para os cantos...
esta é num telhado, por aqui...

quinta-feira, Março 27, 2014

Continuo imerso na escrita, com surtidas fora do "buraco".
Estive no Mercado de Campo de Ourique, onde penso que está a faltar pensamento e hoje irei acompanhar a entrega da petição sobre a calçada portuguesa à A.R.
Não posso deixar de lamentar (poderei dada a ausência de jornais papel ter passado) que este disparate ( ontem no Expresso online referia o custo médio de 400 euros mensais só a manutenção básica dos bichos!) de todos os pontos de vista (não há maneira de pôr juízo nesta gente!) não tenha merecido uma crítica ecologista e social.
Eu, pessoalmente, deixei de pedir facturas... não vá o diabo tecê-las!
A mensagem, além do boneco, é toda errada. Consumo, gastos de combustíveis fósseis, aumento de circulação e claro mais uns trocos para a Merkel. Sorteassem bicicletas ou patins...nacionais!
Valia uma tertúlia...


terça-feira, Março 18, 2014

Revi o programa eleitoral que apresentámos, o Movimento Alfacinha, com o chapéu do PPM em  1985.
Está lá:
esta é a foto de uma quinta urbana, no centro de Chicago!
E agora nas municipais francesas:
http://www.terraeco.net/Municipales-les-candidats-revent,54225.html
todos disputam a ideia.
Infelizmente na altura o PS aliou-se a Abecassis e as quintas ficaram nessa ideia.
Hoje só temos Pinto que projectos para desenvolver hortícolas nos terraços não há.
Mas as ideias continuam a partir pedra.

sexta-feira, Março 14, 2014

terça-feira, Março 11, 2014

Por vezes passamos, por belos azulejos, e não damos atenção.
Isto é Portugal no seu #habitual#.
É o Património dos Pobres, em azulejo.
Não está referido é se esse é a caixa de electricidade ou a casa, a cair de pobre.
Mas o património, dos Pobres! está assinalado, com um belo azulejo:

sexta-feira, Março 07, 2014


Foi impossível, com os escassos recursos à minha disposição, fazer mais do que este exquiso, sendo que quero desde já saudar esta simpática e estimulante iniciativa da sardinha da EGEAC e desejar-lhe muitas sardinhas e de qualidade.

O Sol, o rio (que para a sardinha será já o mar) a torre de Belém no papo, e a convivialidade que as festas puxam.
Aqui fica o meu esboço, para o ano, poderá haver outra na mão...

quarta-feira, Março 05, 2014

Há muitas cidades na cidade.
Hoje a zona de influência de Lisboa tem um raio que abarca as Caldas. Há gente que trabalha em Lisboa e vive em Caldas. As pequenas cidades devem entrar em lógica de agregação/desagregação com as maiores. O território é só um. Demora menos chegar de Caldas que da Amadora ao centro de Lisboa e se tivessemos comboios em condições (para quando a linha do Oeste? para quando?) se o tele-trabalho ganha-se outra cidadania, se tivessemos uma visão prospectiva do futuro, nos nossos espaços de vida poderíamos ganhar o poder de viver.
Caldas tem sido um caso de má gestão, além de indicios criminais, de violação da legislação de ordenamento do território e negligência na produção do PDM (foi o último municipio com mais de 10.000 habitantes do país! a aprová-lo!), onde um personagem de operata (agora vereador de Kim Bernardino!) que perdeu em Tribunal contra quem o acusou de negligência e irresponsabilidade na condução política do concelho! onde até o património fundamental que a faz, as suas termas e o seu entorno têm sido delapidados, pesem trabalhos "concessionadas" a amigos, da onça desde logo.
Mas ao lado, curiosamente do mesmo partido (o que prova que estes autarcas e as suas "ideologias" são irrelevantes na matéria!)  Óbidos tem-se alavancado como pólo de acção e estruturação sustentada do da economia e sociedade ( e esta âncora que é a cidade livreira é fabulosa) com as organizações e eventos que a trouxeram à 1ª linha.
Lisboa deve olhar para a sua gravitação.
Este evento, e desde já recomendo também o livro (deveria fazer-se noutros sítios! ) que mostra o progresso e a destruição de uma terra, os dois, as duas, e um tempo por aí!

terça-feira, Março 04, 2014

Já ultrapassei os 100.000 caracteres de livro  sobre a História do movimento ecologista em Portugal que também contará o activismo político e social em Lisboa.
Hoje em momento de pausa li este livro que deveria estar em todas as agendas de quem tem algo que ver com o nosso rio, o rio da nossa aldeia:
imensa informação e documentação, e textos "to the point!".
Mais para nós um sobre o estuario do Tejo de qualificadas cientistas e também activistas.
Retenho e trago aqui, sendo que não é novidade e o nosso governo está-se marimbando para isso, a total ausência de qualidade do caudal minimo que nos termos do Convénio de Albufeira, Espanha nos é obrigada a fornecer. Este simplesmente está à margem da directiva da àgua. Só contado pra você!
Mas retive também um dado: Espanha tem que nos fornecer 2.700hm3/ano. O que depois de todas as maldades, transvases, usos inapropriados etc, é uma esmola.
E sobretudo quando comparamos com as necessidades de refrigeração dos reactores nucleares de Almaraz 436,9 hm3/ano, ou seja um sexto (dois meses!) do que recebem 3 milhões de habitantes, que ainda por cima tem a água controlada em termos radioactivos uma vez por mês, de baldinho!
Estamos entregues à bicharrada, mas ler este livro dá-nos empenho para varrer...

segunda-feira, Março 03, 2014

Tenho aqui publicado opinião, informação sobre Lisboa e até mais global sempre com um pé por aqui, e tergivesado uma vez por outra.
No livro que tenho em gestação referirei algumas aventuras energéticas em Lisboa, não sei se revelarei algumas palhaçadas também... mas hoje trago aqui dados sobre a produção e o correspondente consumo de energias suaves e alternativas no distrito, base da maior desagregação de que disponho.
Resultante do trabalho da APREN, com quem colaboro estes dados mostram o enorme potencial destas  (ainda maior não foram os entraves que se colocam, hoje, à microgeração e ao desenvolvimento destas na escala mais apropriada).
As economias de energia e a eficiência energética também são factores que melhorariam substancialmente a percentagem de renováveis do sistema, e por isso qualquer desinvestimento na re-habilitação urbana e na melhoria do parque habitacional e de escritórios são perdas da economia e do ambiente.
A leitura do quadro (carregar para aumentar!) é a seguinte:
"
Energia Fotovoltaica
Geral: Durante o último mês, 75% das necessidades de electricidade de uma família típica na região de Lisboa foram cobertas/satisfeitas por uma instalação padrão de painéis solares fotovoltaicos.

Detalhe: A produção doméstica de electricidade a partir de painéis fotovoltaicos correspondeu a 214,7 kWh , o que permitiu abastecer os electrodomésticos da cozinha, a iluminação e os equipamentos de climatização .

Energia Solar Térmica
Geral: Uma instalação média de painéis solares térmicos na região de Lisboa permitiu cobrir 43% das necessidades de aquecimento de águas de uma família padrão durante o mês anterior.

Detalhe: O aquecimento de águas a partir de painéis solares térmicos em Lisboa permitiu a uma família poupar, por exemplo, 7,06 m3 de gás natural, durante o último mês.

Energia Eólica
Geral: Durante a último mês o vento permitiu gerar, em média, electricidade suficiente para abastecer 353 000 habitações, graças à produção de todos os parques eólicos em funcionamento na região de Lisboa.
"
Costumo fazer conferências sobre estes temas, e é argumento recorrente o reduzido aproveitamento do Sol no nosso país (na Alemanha, com menos Sol é muito, muito maior) e o potencial do eólico, agora com os novos sistemas de baterias.
(Claro que não tem nada que ver com a charanga que o Vereador Fernandes quis em tempos instalar em Lisboa... que era só publicidade, negativa desde logo!)
Quem quiser saber mais sobre a produção/consumo de renováveis pode ir a: http://energizair.apren.pt/ 
ou solicitar-me que terei todo o gosto em soprar...

sexta-feira, Fevereiro 28, 2014

Como é estimada a calçada portuguesa nos "locais protegidos"

O blogue CidadaniaLx lista os locais onde a calçada portuguesa será mantida.
São eles:
Rua da Prata, Rua do Ouro, Rua Augusta, Largo do Chiado, Rua Garrett, Rua dos Fanqueiros, Rua do Alecrim, Praça do Duque da Terceira, Praça Marquês de Pombal, Rua de São Jorge, Praça do Império, Largo Frei Heitor Pinto, Jardim das Amoreiras, Rua do Comércio, Largo da Boa-Hora, Rua Nova do Almada, Rua Primeiro de Dezembro, Rua das Portas de Santo Antão, Rua de São José, Avenida Conde de Valbom, Entrada do Castelo, Praça do Rossio, Praça dos Restauradores, Avenida da Liberdade, Jardim de São Pedro de Alcântara, Avenida Almirante Reis, Avenida Fontes Pereira de Melo, Avenida da República e Alameda dos Oceanos. 
Seguidamente, pode ver-se o que sucede em alguns deles: 
Rua da Prata, Rua do Ouro, Rua dos Fanqueiros, Av. Almirante Reis, Av. da Liberdade, Av. da República - e ficamos por aqui, para não atafulhar este espaço...

quarta-feira, Fevereiro 26, 2014

Parece-me Alfama.
E os empréstimos sobre penhores estão de volta.
Tudo regressa...

Guitarra Flamenca - Paco de Lucia - Solo quiero caminar Montreaux 1984

Aplicação da calçada portuguesa

Em geral, quando as árvores morrem (ou as matam...), o que fica é um buraco - a menos que ele seja revestido com boa calçada portuguesa, como aqui se mostra. 
As fotos são da Av. Fontes Pereira de Melo (três) e da Rua Edison (a de baixo).

Apontamentos de uma cidade sem uma gota de auto-estima

Esterqueira (muito a-propósito à porta da AML...). 
Repare-se como os ecopontos não estão cheios, tendo o lixo sido, desnecessariamente, colocado no chão...

sábado, Fevereiro 15, 2014

Já aqui tenho escrito, muito, sobre a inutilidade que é, são as Assembleias Municipais, alfobres de prebendas, de tachos, de exílios.
Exílios há muitos, alguns não se conformam (e reconheço o mérito, inútil desde logo, dos debates sobre a Colina de Santana que por empenho de Helena Roseta se têm, inútilmente realizado, sempre são mais umas senhas de presença e tal...) e entre esses está, com outros que não desmereço, Fernando Nunes da Silva, que também conheço e estimo há muitos anos.
O Fernando (que não me meteu nenhum empenho!) foi do meu ponto de vista "saneado" para um lugarzeco onde não tenha a sua voz e conhecimento a perturbar o rame, rame.
Hoje, tive ocasião de o felicitar, mesmo com algumas omissões e pequenos pormenores onde a nossa sintonia não é perfeita, pelo excelente e desassombrado artigo no Público.
As questão das competências, das actuais, das futuras, da funcionalidade e operacionalidade são temas centrais, além do quadro político do exercicio do "mandato" da administração da EMEL.
Que está a gozar à tripa fora com os cidadãos (aqui neste blog há muitos post sobre esse gozo...) e com um vereador de tutela (opinião estritamente pessoal e política!) a ver andar os navios, que esses não são tutela da dita...
Aqui o artigo:
faltaram os bico taxis e a tracção por outros modos...
NOTA
Para ler o artigo fazer o download e aumentar então à vontade!

terça-feira, Fevereiro 11, 2014

Tenho andado por fora, estou na fase de recolha de materiais para este livro, que poderão ser 2, sobre 40 anos de luta pela democracia e a sustentabilidade. Ontem recuperei de velhos arquivos uma "tonelada" de materiais sobre Lisboa, dos primórdios do movimento alfacinha, à eleição do Gonçalo, e às sacanagens que se seguiram, da aprovação de uma moção sobre Almaraz na C.M.L., aos conflitos com Rui Godinho, que globalmente apoiávamos ( o Movimento alfacinha), ao seguimento da história, ao tempo igual ao de Abecassis que foi a gestão Sampaio e as minhas "disfunções" com Luís Coimbra, a alguma ruptura com o status quo com João Soares, bom tempos antigos sobre os quais escreverei certamente um ou dois capítulos, que o livro tem muitos "segredos".
Mas descansem que haverá muito, muito mais...

Mas venho aqui porque ando um pouco possesso. Ontem ouvi, em diversos noticiários e até num telejornal, que deixei de ver mas ontem a curiosidade de ouvir o M.S.T. foi maior.
Pois até o vi comentar uma não notícia (o "romance de Obama com uma actriz com um nome esquisito), que encheu os noticiarios e o telejornal.
Hoje dizem-me que era tudo brincadeira... pois brincadeira já era ontem. Vendem-nos notícias para entreter o pagode, o Meco, o Miró, tal e tal para encher chouriços...
O que é realmente importante ( por exemplo estive no Alandroal numa excelente, genéricamente porque houve umas valentes patadas, assembleia sobre o Patrimonio Imaterial da Humanidade... e não vi nada nos ditos jornais...) ou uma histórica vitória do movimento cívico, social e ambiental no Tejo, na Extremadura, que é desde já uma enorme referência jurídica e política, que é a confirmação da ilegalidade (construída com a conivência do Partido Socialista e do Partido Popular espanhóis!) do monstro de Valdecañas e a ordem, agora depois da sacro-via de todoas as instâncias judiciais, do Supremo de demolição de toda a estrutura, o que desde já é uma sentença mortal para a imobiliária e os patos bravos, dos que devem ser chumbados.
A ADENEX, Ecologistas en Accion, e a minha querida amigaPaca Blanco, heroina desta luta, mas também eu e todos nós estamos de parabéns, pela vitória do ambiente e do direito.
Mas por cá... andam entretidos com fait divers ou noticias falsas...
Aqui:
http://signos.blogspot.pt/search/label/Paca%20Blanco
e a nossa comunicação social, ou os seus mandantes:
a darem-nos as suas notícias!