quinta-feira, julho 30, 2015

Não vi, mas deve ter sido por distracção minha, a assinatura de nenhum Presidente de Câmara nacional, nem a do Fernando Medina, mas pode ter sido distracção.
Se não for o caso, alguém lhe pode fazer chegar este documento...
http://www.pass.va/content/dam/scienzesociali/booklet/declaration21july2015.pdf
O Papa Francisco continua a fazer das suas. Nesta matéria M.B!

terça-feira, julho 28, 2015

Hoje foi um dos temas do meu programa, na Rádio Montemuro:
http://www.citylab.com/design/2012/03/gardens-top-city-buses-would-never-work/1395/,
e já fiz a proposta à ADENE e à Lisboa e-nova...
lendo a notícia percebe-se que havia muitos problemas associados, que tem vindo a ser, quase todos, resolvidos...
Hoje estão em funcionamento e com funções significativas.
Nota P.S.
Recebi duas simpáticas respostas.
Remetendo-me para o que foi feito na ETAR de Alcântara e para Carris, que poderá ser entidade que possa estudar este desenvolvimento. Nada a ver com o Angelo!....

quarta-feira, julho 22, 2015

Nesta excelente foto de Rui Cunha vê-se o Tejo, em Santarém, quando ainda tinha... muita água:
hoje é muito, muito menos.
Este post é para referir a minha total insatisfação, absoluta incompreensão, e verberar o enorme erro do, de resto um dos melhores ministros, talvez o melhor, deste governo, Jorge Moreira da Silva.
Então não é que (porque carga de água?, mas porque carga de água mesmo!) foi "re-assinar" a lamentável Convenção de Albufeira (sobre os rios ibéricos) que todos os grupos ecologistas, todas as pessoas envolvidas na política de água, com princípios e filosofia ambiental, acham execrável, seja por não garantir caudais em quantidade suficiente, seja por ser omissa em relação à qualidade, com a ministra espanhola, e que deveria ser, imperiosamente, revista!
Mal, muito mal no caso vertente, esteve Jorge Moreira da Silva.

terça-feira, julho 21, 2015

A foto é uma simulação do futuro de Nova York:
mas o artigo é claro:
já passámos o limite. As consequências serão alarmantes, mesmo que a conferência de Paris consiga chegar a acordo sobre os mitológicos 2 graus de aumento da temperatura. Os efeitos cumulativos já são inevitáveis.
E Lisboa? O Terreiro de Paço transformado em S. Marcos, as águas do Tejo a chegarem ao Retiro das Freiras, a baixa a andar de canoa...
Para memória futura... próxima....

sábado, julho 18, 2015

Lisboa em 1946, há quase 70 anos, foto de Roger Kahn, do Cais da Ribeira:

quarta-feira, julho 15, 2015

Oxalá não nos caía a pedra em cima...mas para lá nos conduzem...
políticos sem ideias, só com interesses do capital financeiro nos alfobres, que levam a Europa ao precipício.
Cair-nos-à tudo em cima... qual os 4 cavaleiros...

segunda-feira, julho 06, 2015

Nos 80 anos de Sua Santidade, o Dalai Lama:
deixo aqui este registo.
E aqui uma evocação da sua passagem pela C.M.L., onde foi, e muito justamente, honrado com a chave da cidade, quando outros continuam a virar-lhe as costas...
http://signos.blogspot.pt/search/label/Dalai%20Lama
O Verão vai ser uns dos mais quentes de sempre. Será esta a litânia dos anos, dos próximos, todos.
O aquecimento global é indesmentível, assim como indesmentível mesmo que sejamos mira e amaral, que a origem antropogénica é certa.
Até a encíclica papal o diz com todas as letras, pese o desconforto do mira dos USA, o bush.
A Laudato Si também desenvolve as energias renováveis e as promove, assim como refere as culpas do capitalismo de casino na destruição do planeta.
Por cá temos tido políticas sem mira acertada e outras com esse no olho, ou no bolso, mas apesar de tudo, graças ao empenho de sectores empresariais e ao desbravar do caminho que associações e activistas ecologistas trilharam podemos dizer que não estamos muito mal.
Poderíamos estar melhor, a Lisboa Enova (lisboaenova.org) falta-lhe vitalidade e, talvez recursos e sobretudo uma estratégia. Fica para uma próxima, que de qualquer forma, tem um trabalho meritório que não quero deixar de registar.
E hoje:
(...)
Energia Fotovoltaica
Geral: Durante o último mês, 167% das necessidades de electricidade de uma família típica na região de Lisboa foram cobertas/satisfeitas por uma instalação padrão de painéis solares fotovoltaicos.

Detalhe: A produção doméstica de electricidade a partir de painéis fotovoltaicos correspondeu a 509,5 kWh , o que permitiu abastecer todos os seus consumos, os electrodomésticos da cozinha, a iluminação e os equipamentos de climatização do vizinho .

Energia Solar Térmica
Geral: Uma instalação média de painéis solares térmicos na região de Lisboa permitiu cobrir 89% das necessidades de aquecimento de águas de uma família padrão durante o mês anterior.

Detalhe: O aquecimento de águas a partir de painéis solares térmicos em Lisboa permitiu a uma família poupar, por exemplo, 15,75 m3 de gás natural, durante o último mês.

Energia Eólica
Geral: Durante a último mês o vento permitiu gerar, em média, electricidade suficiente para abastecer 123 000 habitações , graças à produção de todos os parques eólicos em funcionamento na região de Lisboa.

Detalhe: A produção de electricidade de origem eólica no mês passado permitiu abastecer 11 % das habitações de Lisboa.
(...)
aqui fica o registo da APREN. A favor de ventos e marés, e sem mares que nos detenham...


sábado, julho 04, 2015

Uma boa ideia:
http://www.terraeco.net/Parisiens-vegetalisez-votre-ville,60451.html
que quando passei pelas vereações em Lisboa tentei desenvolver, na altura sob forma de "jardins verticais", sem grande sucesso. Mas foi chão que nem deu uvas.
Talvez alguém ainda vá a tempo...

quarta-feira, julho 01, 2015

É amanhã, na Sociedade de Geografia:



segunda-feira, junho 29, 2015

Uma capa notável e um excelente dossier sobre eco-cidades:

terça-feira, junho 23, 2015

Estamos aqui:

nesta fabulosa fotografia da NASA de 2012. Vê-se um olho de furacão!

segunda-feira, junho 22, 2015

É um dos meus temas, que infelizmente é pouco acarinhado:


sábado, junho 20, 2015

Independentemente da minha recomendação global, este documento papal tem curiosas e interessantes reflexões sobre as cidades.
Um Laudato Si, a ler com toda a atenção!

quinta-feira, junho 18, 2015

Apareça e divulgue!


Aqui, só para lembrete, aprofundo ou desenvolvo com um toque mais pessoal, se tal fora possível, alguns dos temas que trago aqui ao Carmo e à Trindade...
http://signos.blogspot.pt/search/label/leituras
esta posta com esta ilustração:
com dicas, úteis, para a melhor leitura...

quarta-feira, junho 17, 2015

A rua onde moro é muito larga e comprida. A meio na placa central grandes árvores sombreiam os passeios.
Recordo de na escola primária ter começado assim uma redacção premiada.
As ruas são artérias das cidades, que se constróiem com outros elementos que João Seixas nos evoca, neste livrinho, recompilação de pequenos textos publicados ao longo de alguns anos, sobretudo no Público.
# Em Todas as Ruas#, ver posta anterior é um livro simpático, mesmo para os que já conhecíamos as suas peças, bem organizado, os bonecos são uma mais valia, e nele reencontramos excelentes momentos de, a fazer cidade.
esta rua na Mouraria, que é tema de alguns dos textos, espelha bem o que é.
Lisboa são muitos tempos que se acumulam no tempo, é muita invenção sobre o real, também ele talvez inventado.
A nossa História é também a do linho, da estopa e do canhamo, e depois também do algodão e da seda. Que também fizeram as nossas ruas...e os que nela passamos.