segunda-feira, dezembro 15, 2014

Foi uma sessão de alto nível, embora com vinte e tal pessoas, hoje, no CIUL, na apresentação de mais três livros sobre os problemas de actualidade, e também de Lisboa.
Trarei aqui reportagem.
Hoje venho aqui divulgar mais um excelente livro sobre o património imaginado:

o último e notável livro #Revoir Paris# da dupla Schuiten & Peeters.
Os livros, as ideias que os fazem, são base da realidade.

domingo, dezembro 14, 2014

Em Entrevista com Raimundo Quintal




Uma excelente entrevista. Os 1ºs 10 minutos são sobre o Jardim da Gulbenkian, com recados para o destrata que as nossas árvores tem, pelos serviços arborícidas do sr. Zé.
Para quem conhece e ama os jardins da Madeira ( e também de S.Miguel) além de amigos da natureza vale a pena ver toda.
Duas boas ideias para a cidade:
Aqui:
há algum tempo e dizem-me que com sucesso!
e aqui:
num interessante artigo no El Pais de hoje!
E amanhã, pelas 18.30 na CIUL (ver post anterior...)



sexta-feira, dezembro 12, 2014

quinta-feira, dezembro 11, 2014

Dia 16:


terça-feira, dezembro 09, 2014

Gostava que alguma alma caridosa, que las hay, hay!,
 me pusesse no:
que eu faria como Ste Exupéry:
brincava “à felicidade, em Lisboa, para que Deus quisesse mesmo acreditar nela.”, 
me pusesse  nesse, este livro, que aqui dou em versão digital:
em cópia em papel.
Estórias fantásticas, todas em torno a Lisboa e no seu entorno.
Sou, todavia, do papel, para trás e para a frente, riscar e sublinhar, e etc.
Bom se alguém souber de edição em forma de poder amachucar diga-me, ou faça de Santa.

segunda-feira, dezembro 08, 2014

Quando o Ambiente Inteiro:http://signos.blogspot.pt/search/label/Ambiente%20Inteiro, vai de vento em pôpa,
e #Um grão de Areia, em 40 anos de Cidadania e Ambientes#, se apresta a criar ondas de choque (e muita atenção ao capítulo sobre Lisboa alfacinha e cidadã!),
 venho convidar-vos para mais uma tertúlia sobre uns mimos, para prendas de Natal para todos, onde está presente Lisboa, as nossas Hortas sociais, novas opções de transporte e os problemas globais que enfrentamos e enfretaremos (se o nível dos mares aumentar 4, 8 metros em 50 anos como apontam algumas previsões, S. Marcos no Terreiro do Paço!)

quinta-feira, dezembro 04, 2014


quarta-feira, dezembro 03, 2014

Foi uma excelente apresentação do livro:
de Raimundo Quintal, que fez uma excelente intervenção, assim como Viriato Soromenho Marques, na linha do que lhes é habitual.
Muita gente, muitos amigos e conhecimento a circular.
Também críticas ao que aqui já por várias vezes tenho, por aqui,  mencionado: o arboricídio dominante na C.M.L., já sabemos por responsabilidade de quem, e a falta de uma cultura da árvore e de tratamentos adequados a estas.
E mencionado, julgo que neste caso a responsabilidade é do governo, o estado miserável do Jardim Tropical, a Belém.
O livro excelente tem um levantamento exaustivo da flora do jardim e alguns elementos interessantes no prefácio do Viriato e na introdução do Raimundo.
Fez-me lembrar uma das estórias, sobre este jardim, que conto no tal Grão, a partir de 15, segundo me dizem, em livraria.

terça-feira, dezembro 02, 2014

Começou ontem em Lima, Perú, a reunião das partes sobre as alterações climáticas.
É, talvez, a reunião ambiental mais importante do ano, e certamente a sua conclusão em Paris no final do próximo será, ou não, determinante para o nosso futuro, comum ou não.
As alterações climáticas são responsáveis, segundo referências científicas, pelo crescente número de fenómenos meteorológicos extremos, chuvas intensivas localizadas, tornados, secas prolongadas, frio ou calor intensos. E segundo dados do relatório da O.N.U. sobre essas podem levar a uma subida de 5 metros do nível do mar neste século.
Imagine-se isso articulado com chuvas intensas na cidade de Lisboa. Imagine-se o Terreiro do Paço praça de S. Marcos.
Contrariar as alterações climáticas é responsabilidade de todos e cada um. Tem que ver com o nosso comportamento cívico, no desperdício e sobre-consumo, na reciclagem, na eficiência.
E tem que ver com a acção política e económica, da qual também devemos todos ser parte.
As energias renováveis são um dos caminhos para diminuir a queima de fósseis e assim um paliativo para ajudar à diminuição de emissões e também para promover um novo paradigma de desenvolvimento.
A sua articulação com as redes informáticas, a domótica e as novas capacidades de armazenamento de energia são um dos caminhos que temos.

Aqui a informação mensal que me é fornecida pela APREN.

No mês de Novembro a energia fotovoltaica forneceu 70% das necessidades de electricidade de uma família, típica, da região de Lisboa. A produção doméstica de electricidade a partir destes painéis foi de 215,5 kWh, suficientes para os electrodomésticos da cozinha e iluminação.
Já o solar témico (visitei recentemente, perto de Badajoz uma enorme central de termo-solar, para electricidade) permitiu cobrir 40% das necessidades de aquecimento dessa família e permitiu poupar 7,09 m3 de gás natural
Finalmente o vento, esse sopro de que era feito S. Eloy, permitiu abastecer 276 000 habitações, só dos parques eólicos da região, 25% das habitações de Lisboa.


sexta-feira, novembro 28, 2014

Raimundo Quintal é um dos protagonistas do meu #Um Grão de Areia, em 40 anos de cidadania e Ambientes#, que a partir da próxima semana estará em livraria ( apresentação prevista para Janeiro!).
Agora vem até ao Continente apresentar-nos este:
que sem conhecer, mas sabendo da qualidade do autor, desde já recomendo.
Terça-feira lá estarei!

terça-feira, novembro 25, 2014

É uma notícia fantástica, que neste país onde os média são dominados por trivialidades, boçalidades e até mentiras, não passará. Nos telejornais que chegam a passar 43 minutos com uma notícia nula certamente que não haverá tempo.
Pois uma grande cidade europeia está em vias de acabar com a publicidade!
http://lexpansion.lexpress.fr/actualite-economique/grenoble-premiere-ville-d-europe-a-supprimer-la-publicite-de-ses-rues_1625039.html
A notícia é fantástica. Sou dos que se opõe à ocupação do espaço público por paineis que, ainda por cima com informação nula, o destróiem ( e basta ver os paineis dos partidos, nulos e devastadores da paisagem urbana), e também por punição do uso de grafittis (fabuloso o do último Achile Tallon) a não ser autorizado e enquadrado, em edíficios decrépitos ou tapumes.
 Desde aqui desafio o vereador responsável, se o houver, a estudar desde já medidas para acabar com esta praga que conspurca a monumentalidade de Lisboa, proibir os outdoors, é fácil e até dá outra vida à cidade! Começar por aí....

segunda-feira, novembro 24, 2014

 

                                                        for and beyond economic profit

UÉ | Colégio do Espírito Santo | Anfiteatro 131

dias 12 e 13 de dezembro 2014

mais informações em: http://www.chaia.uevora.pt/pt/event/201/colloquium-international.html

No dia 12, pelas 18h00, Aurora Carapinha apresenta o livro The Garden as a Lab


sábado, novembro 22, 2014


quinta-feira, novembro 20, 2014

Ontem andei novamente de galochas...
Hoje recebo esta simpática notícia d' O Instalador:
http://www.pt.cision.com/cp2013/ClippingDetails.aspx?id=23153990-c3db-4e4a-999e-1c3fa2c184d3&analises=1
O Ambiente Inteiro, também tem a ver com Lisboa.
Se estiverem pelo Porto no dia 26, pelas 21 horas será apresentado pelo Paulo Santos, Presidente do FAPAS, no café Guarany, Av dos Aliados.
E reservem o dia 15 de Dezembro, no CIUL, pelas 18.30 haverá outras surpresas...
Entretanto, no jardim/ Tapada das Necessidades, os cactos continuam a crescer.

domingo, novembro 16, 2014

Recomendo. Só faltarei se o dentista me deixar K.O.