sexta-feira, julho 19, 2019

Foi, talvez, a  nossa última manifestação, em Higuera de Vargas!
Hoje:
"
Indescritível alegria!

Ainda ontem estivemos a percorrer os caminhos onde poderia vir a existir uma mina de urânio a 5 Kms da nossa fronteira.
Ontem voltámos a referir que era urgente a decisão da Junta da Extremadura.!

Todos os povos da zona, em manifestações de muitos milhares, às quais tivemos a honra de nos dirigir, a nossa comissão Parlamentar de Ambiente, todos os partidos desta, que recebeu a Plataforma #Dehesa Sin Urânio# e que connosco dividiu dúvidas e apreensões, e devo saudar novamente o deputado Pedro Soares, presidente da Comissão, a quem o ambiente fica grato e irá deixar saudades, todos nos havíamos erguido e caminhado.

Hoje, logo pela manhã, quando estávamos reunidos com os presidentes de Ayuntamientos (Cãmaras) da zona recebemos a notícia:
“La Junta de Extremadura anula el permiso de investigación de la mina de uranio
La Dirección General de Industria, Energía y Minas ha resuelto anular el permiso de investigación de recursos de la sección D (uranio) de la Ley de Minas, denominado ANSAR”
Não tenho palavras! Para a enorme alegria.
O montado pode continuar a lutar!
"



quarta-feira, julho 17, 2019

É um espaço fabuloso, e não fora estar em retiro não deixaria por nada de ir a esta festa, que têm sido memoráveis:
não há filosofia sem prática!

terça-feira, julho 16, 2019

Mau jornalismo...
Vi, por mero acaso, uma reportagem na RTP sobre o javali.
Inacreditavelmente nem uma palavra sobre:
e seria fácil fazer as ligações, há 50 anos começou o incremento dos javalis, com a extinção do lobo, no Sul, e se não nos pomos a pau a invasão será total.
A caça tem que ser incrementada, mas agora com as tretas do animalismo estamos tramados... e se continuarmos a dar cabo do lobo (que come os filhotes do javardo) estamos feitos.
Alterámos o espaço rural, demos cabo dos lobos e agora....
No programa de mais de meia hora até aparece um velho amigo, Carlos Fonseca, que é ainda por cima especialista em mamíferos, mas o jornalista nem se procurou informar e fazer-lhe uma pergunta útil.
Continuamos a encher....
Esta é brilhante,
Sugestão para as nossas autarquias!
https://www.ecowatch.com/dutch-city-bus-stops-into-bee-stops-2639127437.html

segunda-feira, julho 15, 2019

Continuo à espera que me digam alguma coisa, uma mera resposta, de queixa apresentada ao IGF  (em Março!) contra conivência da C.M. Barrancos com ilegalidades várias, 
já o IGAMOAT foi mais expedito, bastou um mês, e já colocou a Câmara de Moura perante as suas irresponsabilidades:

S/07696/RE/19 - Encaminhamento para a C.M.Moura - NUI/RD/AM/000260/19.3.RE 

e é o mesmo Estado. 

Tenho apresentada à C.A.D.A. queixa contra outro Instituto Público há seis meses... e nem resposta.

Não há quem dê uma varridela nesta gentalha!!ou estarão todos em férias?

Em Lisboa os casos, então, nem tem conta! 


 

domingo, julho 14, 2019

De outras leituras de hoje:
esta fez-me, faz-me lembrar a idiotice do meio ambiente. O Ambiente deve ser inteiro, meio já é ambiente!
E aqui um artigo, dos meus!
https://elpais.com/elpais/2019/07/08/eps/1562596150_743183.html
já não há paciência para populismo, nem nacionalismos.
Aqui um livro essencial:
para desmascarar ideias e interpretações falsas dos factos e da História da linha da tal senhora que bolsa sobre esta em artigos racistas.
E li 4 revistas francesas, a notável Marianne em lugar de destaque.
De um artigo desta:
é que tudo começou algures....
É isto....
enviar os low-cost para Beja e criar uma taxa sobre os voos, limitar fortemente os navios de cruzeiro! e os tuk-tuk. Acabar com o regabofe das bicas e das trotinetes.

sábado, julho 13, 2019

A minha primeira estada em Pamplona foi difícil, passei três noites no Governo Civil, ainda viviamos no pós franquismo, julgo que era 1º Arias Navaro, mas não estou certo...
Depois estive mais 2 vezes e recordo os percursos e o deserto de Navarra onde me "perdi".
Tenho pena, e agora com o turismo de massa e os novos e espessos cabrestos vai perdendo a graça, de não ter participado nestes poderosos e históricos encierros, mas a leitura do genial Hemingway e a sua #Fiesta# cumprem um papel catártico.
continuam, por cá a abundar discursos, respeitáveis salvo quando insultuosos o que é quase sempre, contra a ruralidade e as suas manifestações, normalmente vindos de urbanitas que nunca viram o animal, mas tenho que referir de uma grande, enorme ignorância, do campo, da ganadaria e da vida rural e das suas festas.
Hoje, sendo que me tenho resguardado de intervir nestas polémicas, dado que temos garantido o respeito pelas culturas locais e patrimoniais, embora o fanatismo continue a ameaçá-las, trago aqui este artigo de opinião, de um homem que sempre acompanho, mesmo quando discordando politicamente dele, mas não aqui:
https://elpais.com/elpais/2019/07/11/opinion/1562856407_593734.html
Viva S. Fermin!
Sou um anti-racista primário tenho que o confessar. Eu próptio descendente de sefarditas me considero preto, e de todas as cores...
Sobre o artigo de Fátima Bonifácio acho do mais asqueroso, sem classificação. Aliás acho-a  uma historiadora medíocre, como outras que agora enchem o espaço público, mas defendo intransigentemente o seu direito a bolsar ( de Bolsa) os disparates que queira, embora também defenda o direito de não ser mais publicada por quem não os aceita, como um jornal decente (porque não vai escrever a sua trump para observador?) sem que isso seja censura, mas direito e liberdade, também empresarial.....
Gostei dos artigos de hoje de Pacheco Pereira ( no Público) e de Sousa Tavares (Expresso) que subscrevo, inteiramente, embora não deixe de acompanhar o espírito e não o acto de quem a colocou em tribunal.
Fui dos que sempre defendeu o direito de expressão dos fascistas e nazis, organizados até em partidos (como hoje disfarçados já temos), desde que respeitem o Estado de Direito, aliás como os comunistas.
Por isso entendo que a palavra deve ser respeitada até aos limites,,,
Começo a leitura de uma história aterradora, que resulta, também, dessa não ter sido respeitada:

quarta-feira, julho 10, 2019


Sobre a exibição do filme a Fuga Radioactiva, de Eduardo Soto e importante debate que seguiu

Uma curta metragem notável #A Fuga Radioactiva#, com a presença de Eduardo Soto, o realizador foi exibida ontem em estreia nacional, em Lisboa na Livraria Ler Devagar.
A esta seguiu-se um debate que não pode contar com a participação de Pedro Soares (Presidente da Comissão Parlamentar de Ambiente) por motivos políticos, mas que esteve no inicio da sessão para falar com os membros da plataforma # Defensa Sin Uranio# que estiveram presentes e que através de Maria José fizeram uma apresentação da história e da forma como esta plataforma, organização única que envolve várias localidades ameaçadas pela mina de urânio e tem protagonizado manifestações massivas nessas várias localidades assim com em Mérida (capital Extremenha).
Esta plataforma e a sua/nossa luta foram na sessão classificadas como a mais importante e significativa inciativa nos dias de hoje na Ibéria e que pode ser o motor e modelo para o regresso das lutas ecologistas à Península.
Foi feita a ligação ente esta luta e a contra as Alterações Climáticas e promoção da Dehesa/Montado que estão intimamente ligadas.
Participou também no debate Yolanda Picazo que estava em Cuenca na altura da oposição a este cemitério nuclear, que nos descreveu a luta e fez o ponto desta situação, assim com fez algumas observações sobre as instalações nucleares ibéricas.
Eu próprio fiz alguns enquadramentos do actual momento da nuclear, a nível mundial, e obviamente em Almaraz, com as últimas e sempre perigosas novidades, além de ter comentado a situação e riscos do mercado e da mineração de urânio.
No debate participou o realizador que nos informou também de outros trabalhos em curso, nomeadamente sobre o ciclo da nuclear, que aguardamos com a maior expectativa.
# A Fuga Radioactiva# será exibido em diversos locais do âmbito da Plataforma, mas também no nosso país, e desde logo em Ferrel “ Capital da Luta contra o Nuclear” que se fez representar na sessão pelo presidente da Junta Pedro Barata.
Seguiu-se um agradável momento de convívio, troca de ideias e solidificação de amizades e carinhos.
No alto da árvore
A águia espreita
O coelho na toca
Seja como seja a vida continua, mas temos que agir....

domingo, julho 07, 2019

Desafinado by Joao Gilberto

Livros, revistas, conversas, espíritos, santos ou pecadores todos.
Um excelente número da Quercus, da boa!
 com diversos artigos excelentes, desde logo o ponto da situação sobre Lobos, onde em Espanha estão muito longe do nosso estatuto, e a qualidade das ilustradoras femininas, e outro sobre o Neandertal, e muitos mais.

acabarei a leitura, amanhã no caminho do Porto.
Em companhia de uns fumos... sagrados.

sexta-feira, julho 05, 2019

O Estado de Barrancos:
http://estadodebarrancos.blogspot.com/search/label/Plataforma%20Montado%20sem%20Ur%C3%A2nio
tem estado na primeira linha do apoio à nossa Plataforma #Dehesa Sin Uranio#.
Obrigado, Jacinto.
Aqui, o poema que utilizei no final da manifestação, com exortações e desafios políticos!

"
No hay nada en mí que no sea de la tierra, en ningún momento estoy separado, ninguna partícula me desconecta del medio ambiente.



No soy menos que la tierra misma. Los ríos corren por mis venas, los vientos soplan dentro y fuera con mi respiración, el suelo hace que mi carne, el calor del sol arda dentro de mí.



Una enfermedad o herida que cae sobre la tierra me golpea. Una molécula sucia que cruza la tierra me atraviesa.

Donde la tierra se purifica y nutre, su pureza me infunde.



La vida de la tierra es mi vida.

Mis ojos son la tierra que se mira a sí misma ..."

(...)


de Richard Nelson

quarta-feira, julho 03, 2019

Um mapa, de 1810, notável!
carregar para outras leituras.

domingo, junho 30, 2019

Para as agendas!!!!

Dragoeiro do Jardim da Estrela

sábado, junho 29, 2019

Para as agendas:

quinta-feira, junho 27, 2019

Lamentávelmente o tal partido não se preocupa com a etnia cigana, tantas vezes subnutrida!, como com os cavalos que, só eles, quer defender. Em torno dessa, também com culpas próprias que não se podem alijar, se geram muitos mitos e efabulações, mas os termos em que está escrita a tal moção são do mais asqueroso. Em Barrancos só há uma família cigana. Gigantesca é certo. Em vida do patriarca André, eu era conhecido pelo amigo do cigano, tantas vezes o safei de enrascadas.
Vergonha pelo racismo peçochento no que o animalismo vai dar. Em Barrancos nem 1!
Está nas Caldas da Rainha até fim de Julho, no CCC, a excelente exposição do World Press Cartoon, que recomendo!
a liberdade de expressão é cada vez mais fundamental!
e pensar mais importante, e agir!

segunda-feira, junho 24, 2019

Na Casa dos Açores!!!

sexta-feira, junho 21, 2019

No seguimento da nossa ida à Assembleia da Republica,
ontem em Oliva de la Frontera reunimos para cima de 2.500 pessoas, para dizer No a la Mina Si a la Vida,
 foi uma caminhada em grande, como refiro aqui:http://signos.blogspot.com/









é espantoso percorrer estas vilas raianas e não encontrar uma janela sem o seu cartaz....

quarta-feira, junho 19, 2019

Mais um artigo saboroso!
também sobre.... alterações climáticas!
Aqui:
https://ocio.dn.pt/destinos/o-gelo-do-montejunto-que-abastecia-os-reis-de-portugal/
De amanhã:

179
20 Junho 19

Nuclear
Hoje em Oliva de la Frontera! (amanhã Notícias mais tarde), e ver Nota

Alterações Climáticas
Pois, petróleo e os seus derivados.....
este é sobre renováveis,,,, e aponta para nos estarmos a afastar dos objectivos do Acordo... de Paris!
não podia ser pior!
Hoje boneco do Monde de ontem, anexo.

Florestas tropicais
Também somos responsáveis:

Plásticos
Infelizmente não é só na questão dos plásticos que em Israel estamos muito mal!
Água, solo, direitos, todos os direitos, espezinhados, e agora a sombra do racismo de Estado e do fundamentalismo religioso a pairar, como por esses lados, tantos.
A notícia é do C. Pessoa o comentário não, é claro.

António Eloy
Observatório Ibérico Energia (O.I.E.)

Nota
Apesar da “excelente” cobertura de imprensa realizada venho aqui para os distraídos informar:

e Comunicado de Imprensa

Recebeu a Comissão Parlamentar de Ambiente ontem pelas 10 horas, numa audiência que se prolongou por uma hora 8 elementos da Plataforma #Dehesa Sin Urânio#, representativa de diversos concelhos da envolvência da projectada mina, Zahinos, Vila Nueva del Fresno, Mourão, Barrancos, Higuera de Vargas, Oliva de La Frontera e Jerez de los Caballeros.
Depois dos agradecimentos à Comissão por esta iniciativa e por todo o excelente trabalho realizado nesta legislatura, e os melhores votos para futuro a representante da Plataforma fez uma apresentação exaustiva e muito completa do processo, do seu início em Janeiro até ao actual recurso em contencioso, seguidamente referiu os passos que temos dado em luta e contestação e também o envolvimento nacional (português) que é cada vez mais necessário acabando por apresentar um quadro geral dos impactos e da sua repercussão, também em Portugal e no Guadiana.
Seguiram-se as perguntas e declarações de solidariedade de diversos deputados de que destacamos António Costa Silva do PSD, Norberto Patinho do P.S. e Paula Santos do PCP, e  de Maria Manuel Rola do BE.
Todos foram unânimes na preocupação e colocaram questões incisivas que foram respondidas pelo elementos da Plataforma.
Foi mencionado por nós a luta contra a refinaria de Balboa e o papel importante que a oposição do governo português de então teve no cancelamento do projecto, assim como recordadas as menções ao Porto radioactivo, que foram usadas na altura dos projectos debalde de Sayago e Aldeavila, e a possibilidade de ora termos Azeite radioactivo...
Mencionado foi,  também, que várias décadas após o fim da mineração na zona da Urgeiriça por essas terras e pelas suas gentes o espectro das radiações, poços e escombreiras radioactivas continuam a proliferar ameaçando a saúde e a continuidade, e que não queremos que a raia seja mais abandono e destruição.

Fomos informado pelo Presidente da Comissão Pedro Soares, que saudamos e lamentamos não contar com a sua continuidade na próxima legislatura, que esta Comissão diligenciará junto do governo português sobre as razões do seu  silêncio e da falta de informação das autoridades espanholas sobre estes projectos, falta de informação essa  que infringe diversos tratados bilaterais.
Amanhã em Oliva de la Frontera esperamos comunicar aos presentes, em mais uma manifestação as nossas impressões!




terça-feira, junho 18, 2019

Passam despercebidas, por vezes, obras excepcionais.
Cada vez há menos cinema de qualidade, nos nossos cinemas. Um dos poucos que escapa à uniformização de que o cinema é hoje vítima é o Cinema Ideal, onde está em ecrán um filme a todos os títulos notável:
uma obra prima sobre um dos maiores criadores do século XX, realizador, actor, escritor e guionista, produtor de rádio, pintor, activista.
Neste filme sobre o que os seus olhos viram, temos imagens fantásticas dos seus filmes, da sua representação, a sua voz, e as suas vidas na vida.
Continuará a vencer a morte.
Que li num livro curioso de Elias Canetti:
que com lucidez e desplante nos diz que a morte é o reverso de Deus e que só existe por causa dele, num livro que é também de memórias, pois contra elas a morte nada pode, enquanto durarem.
Ficam, talvez, os filmes....

segunda-feira, junho 17, 2019

Se carregarem podem ter leitura!
Gostei desta página!!!!

sábado, junho 15, 2019

quinta-feira, junho 13, 2019

Para as AGENDAS!!!!

terça-feira, junho 11, 2019

Não posso deixar de recordar, com afecto:
com quem estive na vereação e com quem sempre trocámos, mais dele para mim, estórias e convergências, e que pode verificar era um homem notável de cultura e resistência. E com muita graça.
Hoje por entre muitas e merecidas memórias e homenagens aqui fica o meu sentimento.

segunda-feira, junho 10, 2019

Entretanto recomendo:http://www.festailustracaosetubal.pt/festaIlustracao/
vale a pena uma ida a Setúbal pelo choco frito e mais monumentos gastronómicos, e por esta,
de um artista de excelência, morto por uns imbecis sem cabeça.

domingo, junho 09, 2019

Será na próxima 6ª feira, na Feira do Livro de Barrancos que terei ocasião de falar de viagens, que são as paisagens e os momentos que vamos vivendo, os livros e as estórias que lemos ou construímos....

sábado, junho 08, 2019

Continua vivo e recomendo!

171
7 Junho 2019

Nuclear
O problema é que não são só estes....
apesar da brigada do reumático eles vão fechando, oxalá, por velhice!
O capital financeiro contra o ambiente! Esta só contada pra você!:
então faz, isso, algum sentido?

Renováveis &
Um João Joanaz em grande!
A Iberdrola é o elo mais “frágil” de Almaraz... agora vão duplicar a potencia desta .... em fotovoltaicos!

Pesticidas
Assim é que é!

Plásticos
O que comemos...


António Eloy
Observatório Ibérico Energia (O.I.E)

Nota
Reservai nas agendas dia 9 Julho pelas 21 horas, em Lisboa, haverá a exibição em estreia de um filme (ficção) sobre o “evitado” Cemitério Nuclear de Cuenca, seguido de debate sobre a situação actual da nuclear e do urânio na Península com portugueses e espanhóis.

terça-feira, junho 04, 2019

Comunicado
5 Junho. Dia Mundial do Ambiente
2019
# O homem é eterno na medida em que se preocupa com a eternidade- se não se desvanecer nessa.#
ou será com, no, pelo clima?
in “ Livro contra a morte” de Elias Canetti

É, mais um dia ensombrado no desvanecimento.
Refiro-me ao clima, a que seguindo a estratégia dos Acordos de Paris, hoje até questionada pelo Secretário Geral da O.N.U. , mas na altura só pelo Observatório Ibérico Energia e organizações como os Friends Of the Earth International e a Greenpeace, o clima que continuamos (Onde estavam as metas verificáveis? Onde estavam as medidas não facultativas? Onde estavam os objectivos sérios?) a degradar, sem que o movimento Emergência Climática e Ambiental possa colocar um pauzinho na engrenagem do crescimento, aumento do PIB ( até onde? vamos?).
-Sem uma alteração do paradigma (por cá a preocupação é com um sistema sócio-político da 2ª Vaga, a kakistocracia em articulação com a oclocracia*, incapaz de dar respostas à cidadania!) e da lógica de organização social para dar resposta a uma ruptura necessária com o materialismo irracional das economias dominantes (todas capitalistas, e irresponsáveis, o que não é necessário que seja cumulativo!) ;
-Sem uma visão global do sistema europeu e mundial, que rompa com os nazionalismo, respeite os direitos humanos (sempre traficados em nome de algo e esquecidos quando se trata de ganhócio), uma visão federalista e humanista que desafie os poderes do “grande” (China, USA, Brasil, India, ou os pequeninos Hungria, Itália, Polónia, Correia do Norte ou Cuba) em nome da solidariedade também ambiental (como é possível que estejamos a impedir  + de 2/3 da humanidade de ter uma vida digna e ainda por cima exportemos para lá o nosso lixo?)
-Sem o nosso pequeno empenho, nas muitas tantas lutas locais, ou de âmbito nacional ou transnacional não poderemos alcançar pequenas vitórias que se poderão transformar em alavancas para alterar isto, este estado de coisas!.
Hoje a luta contra a emergência climática por um novo modelo energético mobiliza a juventude, cria empenhos nas empresas, mobiliza cidadania e tem que alterar as condições como se faz política.
Temos continuado a seguir a situação da nuclear, aliada das alterações climáticas, aliás pesem vozes melífluas, um dos componentes destas ( emissões da mineração e enriquecimento, investimentos brutais para a produção e resíduos sem solução e com custos descomunais, além dos riscos sociais, ambientais e psicológicos) nomeadamente o processo ligado à solicitação empresarial de prolongar por alguns anos (7,5 e 8,5) a vidas das 2 centrais, sendo que teremos que pressionar o Consejo de Seguridad Nuclear para impor medidas de segurança, alterações de equipamentos e reforço dos processos sem olhar, sem olhar aos custos e também pressionar sobretudo a Iberdrola, que deve levar uma corrida das nossa casa quando anuncia que vende electricidade verde!, mas também a Endesa,,,, e a EDP que está metida no prejuízo ambiental.
Estamos vigilantes e atentos. Almaraz tem que fechar no fim do seu tempo de vida contratado e nem um ano mais!
Mas também temos, além de continuarmos atentos à mina de Retortillo, uma nova e galvanizante luta:
No a la Mina, sim a la vida, é o grito que percorre os povos raianos extremenhos e alentejanos. Manifestações massivas da população das terras potencialmente afectadas pela mina de urânio de Zahinos, acções judiciais, empenhos cívicos aqui, ali e acolá, e em breve ( dia 19) ouvidoria na comissão Ambiente do Parlamento português, estão a transformar este empreendimento, a mineração de urânio por uma, mais uma companhia anónima ligada a capitais especulativos, que surgiu em segredo (e o Estado português?)   e em segredo se procurou manter, num exemplo de luta e envolvimento social e ambiental que ficará no registo como uma impressionante vitória ambiental e para seguir, pois não vamos parar.
Que este dia do Ambiente seja mais um momento para que a luz vença a sombra.

do Observatório Ibérico Energia
 
*A kakistocracia, o governo dos piores é o sistema hoje dominante e que irá talvez em articulação com a oclocracia, o governo da multidão, protagonizado pelo demagogo ( Trump, etc...) levam-nos à destruição da própria sociedade em que vivemos.

segunda-feira, junho 03, 2019

Enviam-me duas novas fotos da manifestação.
Impressionante:
e no final hermanados!

sábado, junho 01, 2019


Hoje estamos aqui mais tarde com uma “reportagem” sobre o que se passou ante-ontem em Vianueva del Fresno!!!
Esta é a melhor notícia nos jornais portugueses, mas se tivéssemos “partido” umas montras era notícia em todos!!!!

https://www.publico.pt/2019/05/30/sociedade/noticia/protesto-exploracao-uranio-junto-fronteira-portuguesa-reuniu-1500-pessoas-1874841


aqui a televisão, e atenção não tem violência!
Talvez, não de certeza, que desde a manifestação pelo fecho de Almaraz em Caceres há uns anos que não me envolvia numa acção tão massiva contra um dos elementos do ciclo de urânio.
Foi épica, mais de 1500 pessoas, envergando quase todas a camiseta do movimento Dehesa sin Uranio, 6 ou 7 presidentes de Câmara, Ayuntamentos (Cheles, Vilanueva del Fresno, Zahinos, Higuera de Vargas, Oliva de la Frontera, Barrancos e outro mais que não recordo), uma manifestação impressionante, como já o tinha sido a de há 15 dias em Zahinos.
Estamos perante o maior movimento social da península desde há muitos anos, a que como de costume alguns  irão chegar na 25ª hora, mas são bem vindos todos os que vierem por bem.
No final da manifestação foi lido este manifesto em espanhol, que eu que era para lê-lo em português como os que me conhecem sabem não sou neste caso de leituras e fiz um improviso que penso galvanizou o pessoal, que gritou e interrompeu (quem sabe não esquece) por várias vezes esse com palavras de ordem.
Foi muito bonito...

A luta vai continuar. Dia 17, pelas 11,30 vamos, a nossa plataforma #Dehesa sin Nuclear# ser recebidos pela comissão de Ambiente, onde não deixaremos de mencionar o excelente trabalho que sob a presidência de Pedro Soares tem feito e que deixará certamente marca para futuras.

terça-feira, maio 28, 2019


Urânio
Hoje estive a fazer contactos e a mobilizar o “povo” para a grande acção ibérica contra os projectos de exploração de urânio em Zahinos, quase em cima da fronteira e a escassos quilómetros de Mourão. Sobre a mineração deste minério não há nada mais a dizer, não é comparável a nenhum outro, seja ao ouro, que produz contaminação por mercúrio e para pouco serve, seja aos petróleo e outros fósseis que devem ficar onde estão porque o clima não os aguenta mais e porque os problemas de vertimentos são desastrosos, seja o carvão com os problemas de contaminação atmosférica e também dos trabalhadores e população no entorno.
Todas as minerações, mesmo que arautos do progresso e do crescimento as defendam, tem custos ambientais e sociais. A questão é da sua compatibilização com a história....e essa é difícil....
Mas o urânio destrói as suas áreas de mineração, por lixiviados para recuperar o concentrado, que são altamente radioactivos e vão para os freáticos e cursos de água e por o seu movimento libertar gases radioactivos, nomeadamente o radão, que se espalham junto à superfície e contaminam solos, gado e populações (Canas de Senhorim continua a ter toda, toda a sua população abrangida por medidas preventivas/paliativas do câncer!).
Este urânio, que não vale nada, além de deixar toneladas, toneladas de resíduos, tem que ser enriquecido, sujeito a bombardeamentos atômicos para aumentar a sua potência de produção de calor ( isotópica)  e essa tem que ser feita em unidades industriais que não há, neste momento na nossa zona ....e depois serve para a produção electro-nuclear ou para armamento, seja enriquecimento das armas clássicas seja outras.
Pois o urânio deve ficar onde está, debaixo da terra, isolado e sujeito a controle, ou nos armazéns, depósitos onde está acumulado, na Urgeiriça, vigiado e sujeito a protecção e nunca, nunca vendido (como foi em tempos a algum ditadordezo do norte de África ou do Médio Oriente!).
Na próxima 5ª feira iremos estar juntos con nuestros hermanos extremenhos a dizer bem alto, que assim nos entendemos, Dehesa Sin Uránio!


segunda-feira, maio 27, 2019

Está na Fundação Gulbenkian uma das mais fascinantes exposições de que me recordo (talvez seja o cérebro a fazer trocadilhos, linguísticos!)
                                 ele tem evoluído, ou melhor a sua representação....                                  
Aqui:
https://www.comunidadeculturaearte.com/fundacao-calouste-gulbenkian-vai-ter-exposicao-para-explicar-o-cerebro-humano/
Que só hoje tive ocasião de visitar. Estava cheia, muita gente jovem e também mais velhos, todos a querer #brincar# com as situações.
          aqui, estarão as neurónias a agitar-se? ou as sinapses estarão a dormir?

              já aqui deverão estar a converter-se em buda. Não é isso que todos somos?

sábado, maio 25, 2019


Faz hoje anos Gonçalo Ribeiro Telles.
Pouco mais podem dizer sobre ele os amigos, que não seja a continuação do sentimento de gratidão pelo que nos tem dado, o conhecimento, o enquadramento das situações e das paisagens, que são como os espíritos agregações de tempos de histórias e portanto evolução e mudanças, que tem limites e lógicas de continuidade.
As paisagens como os espíritos não existem imutáveis, transformam-se, e no quadro da sua transformação e humanização alteram também os olhares e as vivências destes.
Importante é ter em conta a dinâmica e repercussão dessas no seu todo.
O pensamento e a acção política de Gonçalo continuam. Sem dogmática, sem lógica parcial ou partidária, por muito que aprendizes de feiticeiro queiram coloca-lo numa redoma. Um forte abraço querido amigo.
E aqui trago um bonito artigo do Vasco Rosa sobre ele, de há um ano:
https://observador.pt/especiais/goncalo-ribeiro-telles-aos-95-um-visionario-utopico/