domingo, abril 10, 2011

À atenção do FMI

Paragem da Carris junto ao Centro Roma
Uma senhorita galga o passeio, estaciona o jipe e vai à sua vida, confiante (e com toda a razão...) que nada lhe acontecerá.
Idem, na esquina da Av. João XXI, com estacionamento em 2ª fila

Madame impede idosa de usar o passeio, "empurrando-a" para a faixa de rodagem
À porta do Hotel Roma,
para que quem nos visita saiba bem em que país desembarcou.
Não contentes em entrar pelo passeio adentro como se fosse uma faixa de rodagem, estes pândegos ainda o fazem em contra-mão!
No carro da direita, uma madame protesta, buzinando e esbracejando. E com toda a razão, pois o outro não a deixa sair!
QUANDO, depois de amanhã, chegarem a Lisboa os especialistas internacionais que vêm tentar descobrir porque é que o país não tem dinheiro, é bem possível que passem por esta avenida (que fica em caminho) e vejam cenas como estas.
Sendo, decerto, pessoas atentas (e porventura interessadas em desvendar mistérios que envolvam dinheiros), é provável que queiram saber porque é que as autoridades não 'cobram nada' a condutores como estes; ou, em alternativa, porque é que não põem no olho da rua a corja que os não reprime.

NOTA:
se a palavra 'corja' ofender os 'interessados', posso substituí-la por 'cambada'. Ambas são adequadas para etiquetar os que não fazem aquilo para que lhes pagamos o ordenado. Posso garantir que nem um único destes condutores foi incomodado por ter feito o que as imagens documentam.

5 comentários:

Anónimo disse...

A mim quer-me parecer que os srs. do FMI vão-se interrogar se terão aterrado num país da Europa supostamente civilizada (e do euro, ainda por cima) ou se o avião terá sido desviado para Marrocos...

PS- Sem ofensa para os marroquinos.

Carlos Medina Ribeiro disse...

Ao ver António Costa a perorar n' «A Quadratura do Círculo» ou a discursar no Congresso do PS, eu só penso:

«Mas que autoridade julga este homem que tem (para falar do melhor caminho para o país), quando não é capaz, sequer, de meter na ordem os carros da cidade?

(Também podíamos falar dos pândegos que o antecederam, claro...)

Anónimo disse...

Podíamos, mas a coisa está mais descarada a cada dia que passa e, noutros tempos, nem parquímetros nem eméis nem sparks nem polícias a passear de segway havia... agora há essa cangalhada toda e é o que se vê.

Carlos Medina Ribeiro disse...

Apesar de se tratar de uma pessoa que eu, de um modo geral, não apreciava, reconheço que o único presidente da CML que, DE FACTO, se preocupou com a repressão do estacionamento foi o Eng. Abecassis.

Nessa altura, a PSP era eficaz... e até de mais:
Cheguei a ser multado por ter uma roda (sim, uma!) em cima do passeio;
de outra vez, por ter a parte do porta-bagagens sobre uma passadeira de peões;
de outra vez, por estar a descarregar as malas à porta de casa em local de paragem proibida (onde, por sinal, agora se paga...)

spitfire disse...

infelismente temos miuta gente assim por todo o lado... são os chicos espertos cá da lusitania. até metem nojo... é tudo falat de educação e tambem uma outrra coisa nao menos importante, a saber, a mania que são mais importantes que os outros, algo que está no sangue de grande parte dos portugas e que, olhando bem para eses mamíferos não se consehue descobrir donde lhes vem essa convicção...

aproveito para deixar aqui uma ligação
http://angelsandclowns.blogspot.com
fiquem bem