quarta-feira, agosto 05, 2009

Não devem ter onde gastar o (nosso) dinheiro ....

Carris quer colocar televisores nos autocarros em 2010, "sem incomodar" passageiros-PUBLICO5.08.2009, Ana Henriques

Velocidade média dos veículos continua a ser inferior à das antigas carruagens, graças aos problemas de trânsito da cidade

A colocação de televisores nos autocarros faz parte dos objectivos da empresa transportadora Carris para 2010.
As críticas de que têm sido alvo algumas iniciativas semelhantes de corporate TV no metropolitano e nos táxis de Lisboa fazem com que a transportadora esteja a equacionar a possibilidade de os aparelhos transmitirem apenas imagem, e não som. Trata-se de um circuito interno de televisão destinado aos clientes e eventualmente também aos empregados de determinada empresa ou negócio, financiado com publicidade. Algumas farmácias portuguesas também já usam corporate TV.
"O nosso objectivo é informar os passageiros, e não incomodá-los", assegura o secretário-geral da Carris, Luís Vale, acrescentando que a empresa está a estudar as várias propostas que lhe foram apresentadas por diferentes firmas interessadas em instalar o sistema nos autocarros. Para já apenas existe um televisor-protótipo, num veículo que a Carris não está a usar habitualmente nas suas carreiras. Está colocado à entrada do autocarro, no tecto, por cima do obliterador de bilhetes. "Nos autocarros articulados podemos vir a pôr dois aparelhos", adianta o responsável da Carris. Para quê? "Para comunicar com o cliente. Na Alemanha este sistema é usado em algumas cidades, e em Itália e em Paris penso que também". Divulgado recentemente, o relatório e contas da empresa de 2008 diz que o projecto tem como objectivo "ir ao encontro das necessidades de informação do cliente, melhorando a comunicação da empresa com o seu mercado".
O mesmo relatório revela que os veículos da Carris não conseguiram, uma vez mais, chegar sequer aos 15 quilómetros/hora de velocidade média em Lisboa - ou seja, os autocarros andam mais devagar do que as antigas carruagens puxadas a cavalos. Os problemas de trânsito na cidade (engarrafamentos e estacionamento indevido) são os grandes responsáveis pela situação, que poderia melhorar com a multiplicação de corredores "bus".
No exercício de 2008, o resultado líquido da Carris foi bem melhor que no ano anterior: 17 mil euros negativos. Mas a sua situação financeira continua a ser preocupante, como frisa o revisor oficial de contas: "O capital apresenta-se negativo no montante de 612 milhões de euros, pelo que (...) a continuidade da empresa está dependente das medidas que vierem a ser adoptadas pelo Estado na qualidade de accionista único".

8 comentários:

Anónimo disse...

O objectivo da Carris deveria ser transportar os passageiros o melhor e o mais rapidamente possível, e não incomodá-los.

M Isabel G disse...

Parece que também vão pôr cheirinhos a lavanda nos autocarros. Valha-me Deus, que gente esta...

Teresa Queiroz disse...

ridiculo !

Anónimo disse...

a ideia está óptima... passam a colcoar nivelas nas TVs e o pessoal pede para circularem ainda mais devagar para assim não perderem o final do episódio...

vIRIATU

Carlos Medina Ribeiro disse...

ACERCA do «Direito ao sossego», leia-se [isto] e [isto]

maria disse...

Se houvesse mais transportadoras além da Carris quase aposto que chegávamos mais depressa e que até o problema de trânsito pareceria menor.

Anónimo disse...

Devido à falta de higiene de muitos dos meus concidadãos até acho a ideia da lavanda muito agradavel...
Quanto aos monitores trata-se de um investimento. O retorno da publicidade vai acabar por dar lucro à carris...

M Isabel G disse...

Por mim, dispenso os cheirinhos a lavanda e ser incomodada com propaganda OOps! televisão.