quinta-feira, agosto 28, 2008

Hey, let's be careful out there *


Descontando a crescente e compreensível preocupação securitária que ameaça tornar Lisboa e arredores em argumento para sequela da 'Balada de Hill Street', a verdade é que ao lisboeta só importa o seu pópó. O problema é vasto e fundo, e promete durar uma geração até que se entenda em Lisboa o que outros já entenderam noutros sítios: não é possível haver tanto carro por m2, que é como quem diz, tanto carro por fogo habitacional. Lá virá o dia, portanto, em que o ratio 1 carro por família será uma realidade. Até lá há que fazer pedagogia.

Assim parece não entender a excelsa instituição que leva o nome de EMEL, cujos digníssimos responsáveis levaram a cabo um estudo para 'apalpar terreno' sobre quantos lugares de estacionamento precisa Lisboa, no fim de contas. Fez-se um 'escrupuloso' inquérito, porta-a-porta, e chegou-se à conclusão que 2 carritos por família ali para as bandas do Príncipe Real/Avenida devem ser os necessários. Estimativas finais: são precisos 45.000 lugares de estacionamento. Como a 'oferta de estacionamento' não chega nem a 10%, zás: razões mais do que suficientes para novo relançar da 'fúria parquista', a começar pelo PUALZE, claro. Construtores e futuros exploradores esfregam as mãos, ainda por cima na 'pré-época' que está mesmo aí ...



* Aviso diário do Sg.Esterhaus aos colegas antes de sairem para as ruas

4 comentários:

Anónimo disse...

Porque é que é sequer permitido comprar carro se não há lugar para o por? E se em vez de um carro as pessoas resolvessem todas que queriam ter esculturas em tamanho real de elefantes e, claro está, nao podiam te-las dentro de casa portanto largavam-nas na rua? Se calhar estavam a bloquear a via publica e eram apreendidas, nao? E que tal apreender e vender a merda dos carros mal estacionados até já não haver carros a mais em lisboa e a CML nao estar falida? Merda de laxismo, nao fazem um cu, destroem o q estava bem feito, e ainda comem os nossos impostos!
Deixam as coisas na rua, entao é pq sao lixo, com certeza, chama-se o serviço de recolha de monstros e está o caso arrumado.

Anónimo disse...

Um pormenorzinho: por que raio terão chamado a um parque de estacionamento agora construído «Liceu Passos Manuel»? Que eu saiba, os liceus finaram-se.

João Oliveira Leonardo disse...

"Porque é que é sequer permitido comprar carro se não há lugar para o por?"

em tokio não é permitido mas ainda estamos muito longe dos japoneses

T disse...

Eu vivo meia semana no centro de lisboa, trabalho a 1 hora e 20m de transportes da minha casa, que acresce 30 mins durante o fim de semana e feriado (em lisboa nao se trabalha nesses dias, ta visto) ja para nao falar de que numa cidade como esta nao se justifica os transportes so comecarem as 6.30 a funcionar.

Adiante, passo o resto dos dias a mais ou menos 150 kms, noutra cidade, a cerca 2 ou mais horas de expresso visto que de comboio 6 horas eh pouco.

Nao tenho direito a carro? Pois apos 6 anos desta vida dos transportes, que ateh eh saudavel em algumas horas no que toca as vistas eh absolutamente extenuante. Os srs do metro tambem gostam de manter as estacoes tipo estufa, o que ajuda a relaxar.

Anyway, resolvi tirar a carta e andar de carro, ganhei anos de vida, esquecam la o deixar de fumar.

Existem sempre solucoes para tudo, infelizmente as mais drasticas e as que dao dinheiro sao sempre as mais apelativas.


ps. teclado em ingles, sem acentos :/