terça-feira, novembro 23, 2010

Se têm falta de dinheiro, porque não vão buscá-lo onde ele está?!

HOJE foi notícia (entretanto desmentida) que a CML acumulou mais alguns euros de prejuízo. Seja como for, a pergunta que sempre faço, ao chegar a casa e ver o que a foto documenta, é: «Porque não vai ela buscar dinheiro a quem está disposto a dá-lo?».
Se esta gente está cheia de vontade de pagar o que for preciso para poder estacionar assim (o que sucede dia após dia, ano após ano - desde o tempo do Engº Abecassis!!), a EMEL e a Polícia Municipal de Lisboa estão à espera de quê?! Não vêem que fazem a figura do pedinte que não quer ter trabalho a estender a mão, sendo preciso enfiar-lhe a esmola no bolso?

(E já não falo da DT da PSP, que há muito se demitiu das suas funções, no que toca ao combate ao estacionamento selvagem). Actualização: já agora, veja-se [ISTO]...

3 comentários:

Pedro Boavida disse...

Se em Lisboa existem 467 efectivos (http://www.portalseguranca.gov.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=7181:policia-municipal-de-lisboa&catid=251:policias-municipais&Itemid=231) e sendo o valor da multa de estacionamento que não envolva um reboque, cerca de 60€ é fácil fazer a conta:

Partindo do princípio que um polícia passa 10 multas por dia, então

467 x 10 = 4.670

4.670 x 60 = 280.200€ por dia

280.200 x 22 = 6.164.400€ por mês

6164400 x 12 = 73.972.800€
ou seja quase Setenta e cinco milhões de Euros por ano só com 10 multas por dia/por agente. E já nem falo na EMEL

Carlos Medina Ribeiro disse...

Um amigo meu costuma resumir a razão da inacção das autoridades (perfeitamente sintonizadas com os autarcas) em 3 palavras:

«Eles não querem».

Florêncio disse...

Sejamos claros: toda a gente que ali mora sabe (e há muito tempo) que o Frutalmeidas e o talho Boutique da Carne "controlam" o estacionamento ali.

Não se sabe se dão alguma coisa a alguém para fechar os olhos (ou se é apenas "amiguismo & compadrio"), mas o certo é que a coisa funciona às mil maravilhas.
Aliás, isso sucede em muitos outros locais de Lisboa (restaurantes, cafés, stands de carros, etc), como muito bem sabe quem tem olhos para ver.