segunda-feira, junho 09, 2008

Chegado por email:

«Bom Dia

Sou moradora na Picheleira e desde que me lembro sempre houve um acesso directo à Calçada da Picheleira, mesmo depois de construída a rotunda.Há uns anos atrás uma Vereadora quis arrecadar mais uns tostões para a sua conta bancária (não consigo pensar noutro motivo) e autorizou a construção de um edifício em frente da entrada da Calçada da Picheleira, tendo o empreiteiro chegado a fechar a rua com a execução de passeios e colocação de lancis.

Na altura alguns moradores mais esclarecidos opuseram-se à ideia "magnífica" da "tal" vereadora e esta se calhar com receio da publicidade negativa recuou na decisão, sem nunca ter mandado concluir oa arranjo da zona que continua sem passeios, passadeira para peões, limpeza e iluminação.Agora vem a Junta de Freguesia e a Câmara, entidades que nunca mas nunca fizeram nada por este bairro, "perguntar" através da revista "O Beato" se a população concorda com o novo traçado para o trânsito dentro do bairro (importante: A revista "O Beato" é distribuída com quase um mês de atraso).

No "boneco" que mostra o actual traçado e o novo traçado que dizem eles visa melhorar a circulação e aumentar os lugares de estacionamento já está incluído o fecho da via que dá acesso directo à Calçada da Picheleira e que obriga a quem circula na Rotunda das Olaias e se dirige para o Bairro da Picheleira a ir dar a volta junto ao Centro Comercial Olaias Plaza.

Querem eles que a População local se prenuncie por telefone se concorda ou não. A mim isto parece uma forma encapotada de fazer aprovar o encerramento da via de acesso a Calçada da Picheleira e a construção do tal edifício afim da tal senhora finalmente receber o seu suborno. Não conheço a tal senhora, se calhar até não recebeu nada. Mas não entendo o porquê desta teimosia. Não haverá mais nunhum local para construir um edificio?

Peço a divulgação no vosso blogue deste "caso" pois não consigo entender porque é que a Picheleira fica sempre de fora, seja para arranjo dos pavimentos, iluminação, limpeza e agora até isto.

Cumprimentos, e obrigado pela atenção, Fernanda Ribeiro.»

3 comentários:

Bic Laranja disse...

Isto é uma verdadeira novidade para mim. Um prédio naquele sítio? Mas sendo a rua serventia pública como pode alguém legalmente construir ali?
Mas atenção. O caso não é inédito. A o troço da Azinhaga das Teresinhas entre a Av. do Aeroporto e o colégio Valsassina também foi encerrado e dá imprtssão que pertence a um campo de golfe.
Somado à Praça das Flores e à promiscuidade publicitária por tudo quanto é sítio eu diria que está tudo a saque.
Cumpts.

Anónimo disse...

Só que a Praça das Flores são 15 dias.

E o resto é para muitos anos.

Aliás o estranho é qu ecom tantos exemplos escandalosos por essa Lisboa Fora, e parece que a utilização da placa central da Praça das Flores por 15 dias , é o unico problema de Lisboa.

FR disse...

É verdade.
Parece mentira mas é verdade.
Quem quizer pode consultar o dito "boneco" na revista "O Beato" disponivel no site da junta de freguesia.
O mais incrivel é parece que os autocarros já fazem o seu percurso pelo novo trajecto.
Infelismente é assim apresentei o meu protesto à Junta e à Câmara não praticamente sozinha de nada serve.