segunda-feira, julho 21, 2008

Insegurança crescente em Lisboa

A minha mãe, uma senhora quase octogenária, foi alvo de uma tentativa de assalto na rua onde vive - Rua Latino Coelho, centro de Lisboa, zona do Saldanha, bairro normalíssimo de classe média -, às 10 da manhã de hoje. Seguia pelo passeio quando um carro potente, de vidros fumados, passou junto a ela e, lá de dentro, por um vidro apenas entreaberto, alguém disse: "Como vai, está boa? Como vão os filhos?".

A minha mãe não identificou o carro nem a voz, e como além de desconfiada e precavida, está a par das notícias de assaltos a idosos, respondeu que não estava a ver quem era e continuou a seguir o seu caminho. De dentro do carro, insistiram: "Não me diga que não me está a conhecer... Se se chegar aqui e entrar para o carro, vê logo quem é". Aí, a minha mãe já nem respondeu e seguiu direita para um hotel que há na rua, para estar junto de pessoas. Do carro, insistiram: "Vou ali parquear e a senhora vê logo quem sou". Por esta altura já a minha mãe estava à porta do hotel e o carro seguiu rua abaixo. É mais do que óbvio que os ocupantes andavam à procura de senhoras de idade incautas, que se chegam à beira do vidro para ver quem as está a interpelar, e ficam sem a carteira num abrir e fechar de olhos.

Chegada a casa, a minha mãe ligou para a esquadra da PSP mais próxima - situada na Avenida Miguel Bombarda -, comunicou o caso e aproveitou para perguntar porque é que não se tem visto polícia no bairro há muitos meses. Dantes, costumava inclusivamente haver sempre polícias de piquete às embaixadas da África do Sul e do Vaticano, situadas no eixo da Rua Latino Coelho com a Avenida Luís Bivar.

O agente, sempre muito simpático e prestável, assinale-se, pediu alguns segundos para consultar o mapa de rondas, e informou a minha mãe que, efectivamente, não havia policiamento no bairro "há bastante tempo", e que até os referidos polícias de serviço permanente às embaixadas haviam sido retirados. Ambas as coisas devidas "à falta de dinheiro". E mais disse: a própria esquadra do bairro de onde estava a falar vai fechar em breve. "E a quem recorremos quando acontecer alguma coisa grave aqui no bairro, ou for preciso polícia com urgência?", inquiriu a minha mãe. Resposta do agente: "Pois é, minha senhora... não sei o que lhe dizer. O que pode tentar é fazer um abaixo-assinado com mais pessoas do seu bairro, o maior número que puder juntar, e entregá-lo na Junta de Freguesia. De resto, não a posso ajudar com mais nada".

Curiosamente - ou talvez não - a falta de dinheiro para assegurar o policiamento regular do bairro onde a minha mãe mora parece não afectar a embaixada de Israel, situada na Rua António Enes. Certamente por se temer um ataque terrorista, ou talvez uma missão suicida de comandos iranianos, parte da António Enes está fechada com barreiras desde a fracassada invasão do Líbano pelos israelitas, faz agora dois anos, e há polícia pesadamente armada de guarda ao edifício, 24 horas sobre 24 horas.

Que Câmara Municipal é esta, que privilegia uma representação diplomática estrangeira com condições de segurança excepcionais, e deixa sem policiamento os moradores de um bairro inteiro, ignorando também outras embaixadas situadas nesta zona?

De certeza que se neste bairro residisse um membro do governo, estava a casa do dito guardada de sol a sol. Não há por aí um senhor ministro que queira vir para aqui morar? A zona é boa e sossegada. E era maneira de, pelo menos, a vizinhança ver polícia na rua todos os dias.

10 comentários:

Carlos Oliveira Andrade disse...

Boa tarde.

Sou morador nesta Freguesia e membro da A Freguesia da mesma. Também a minha casa na A.A.Aguiar foi assaltada este fds.

Estou interessado em realizar e dinamizar esse abaixo assinado.

Se quiser contactar comigo, o meu e-mail é carlos.oliveiraandrade@gmail.com

Miguel Carvalho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Miguel Carvalho disse...

Por que diz que a insegurança é crescente?
Há alguns dados que o comprovem ou indiciem?

Mera curiosidade

eurico de barros disse...

Tem já aqui dois, um no postal e outro no comentário. E tenho os dados do dia-a-dia, das pessoas com quem falo no bairro e que me falam de cada vez mais assaltos a casas e pessoas, de gente suspeita a rondar. E do que eu próprio vejo. Se estivermos à espera que saiam estatísticas bonitas e bem impressas para fazermos alguma coisa, mais vale mudarmo-nos para condomínios fechados. A realidade é o melhor "dado" de todos.

eurico de barros disse...

Acrescento: pessoas de família e amigos com quem falo e que moram em sítios vários da cidade, dizem-me o mesmo. Nos últimos tempos, os sinais de insegurança são maiores, depois de um período em que isso não sucedia.

zé lisboeta disse...

Caro que há insegurança, de dia e em certas zonas à noite.

A. Castanho disse...

Só uma pergunta, para não maçar muito: o que é que a Câmara Municipal tem a ver com o policiamento? Não se vê logo que uma imprecisão grosseira como esta retira logo toda e qualquer credibilidade a este Artigo?


Já para não falar da gritante falta de rigor do próprio título...


Isto é um "blogue" para levar a sério, ou uma qualquer tasca aí do Bairro?

zé lisboeta disse...

A Câmara não tem uma palavra a dizer no patrulhamento das ruas de Lisboa? É tudo decidido pela polícia e pelo governo, à revelia da municipalidade? E não existe uma Polícia Municipal? E se já tivesse sido assaltado em pleno dia em Lisboa como me sucedeu, o Sr. A. Castanho já não falava em "rigor".

Bic Laranja disse...

A esquadra (é na João Crisóstomo, 42 e não na M. Bombarda) vai fechar para dar lugar a um hotel, provavelmente com emparcelamento com o nº 40, uma mansão neo-árabe de dois pisos (2 pisos é coisa impensável para as avenidas hoje) e com esventramento de interiores e aplicação duma marreca de vidro de 10 andares pelo menos. Mas isto sou eu a especular...
Quanto à segurança deve ser possível mobilizar alguma gente gradaa que vive por ali. Na Rua das Picoas há um ministro...
Cumpts.

Eurico de Barros disse...

Exactamente, na João Crisóstomo, obrigado pela correcção. Fui lá esta semana e os agentes fazem o número habitual da resignação: "Pois é... sabe como é...". O costume.